• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Você tem 5 minutinhos para aprender um pouco mais sobre geologia?

Olá galera,

Para o resumo dessa semana, resolvi relembrar um tema que vimos na monitoria láááááááá no início do ano e que sempre gera dúvidas nos corações vestibulandos aflitos!

Vamos falar um pouquinho de geologia? Do ciclo das rochas e do dinamismo interno do nosso planeta? Vem comigo que eu te ajudo a segurar esse forninho que é a geologia!

O nosso planeta é formado por uma série de camadas que, ao longo da escala geológica, sofreram uma série de transformações. Para facilitar a vida de estudante de vocês, quero destacar e chamar importância para duas camadas especias: Litosfera e Astenosfera.

A litosfera, nossa camada mais externa, é formada por crosta e parte do manto. É nesta camada que encontramos as tão famosas placas tectônicas.

Aprenda sobre rochas, camadas e mais sobre geologia

Segura essa onda sísmica!

Logo abaixo da litosfera nós encontramos a astenosfera, que é uma camada plástica (com capacidade de se recompor e decompor) e, devido a esta característica, as placas tectonicas conseguem se mover com facilidade.

Já entendemos como nosso planeta funciona (parte dele) por dentro, mas muito mais do que terremotos, nosso planeta, graças a essa dinâmica, cria e recria todas as nossas rochas. Vamos ver como?

Nós temos três tipos de rochas: ígneas, metamórficas e sedimentares.

É importante a gente entender que a rocha ígnea/magmática é a primeira rocha a nascer. Estas rochas se formam abaixo da superfície terrestre (por isso magmáticas) e com o tempo elas acabam emergindo para a crosta.

Ao chegarem na superfície, estas rochas passam por mudanças físicas de alto impacto (alteração de temperatura, de pressão, chuvas, ventos) e estas mesmas mudanças são as grandes responsáveis pelas transformações destas rochas magmáticas.

O intemperismo é responsável pelo “nascimento” das rochas sedimentares. Os sedimentos formados pela ação intempérica vão se depositando em determinados locais e se aglomeram, formando estas rochas.

Essas rochas podem se transformar nas rochas metamórficas. Isso acontece ao longo dos anos geológicos: as sedimentares vão se concentrando em áreas com profundidades maiores, sofrendo com o calor do interior terrestre e a alta pressão interna, gerando novas características e uma nova composição da rocha. Por isto ela passa a se chamar metamórfica.

Se estas rochas continuarem expostas a essa alta temperatura e pressão, elas entram em processo de fusão. Literalmente, estas rochas se derretem e voltam a condição de magma. Igualmente, este magma, um dia, se tornará uma rocha ígnea, graças ao processo de endurecimento.

Estes processos descritos impedem uma rocha ígnea de se transformar em metamórfica? Uma metamórfica em sedimentar? Claro que não! Nosso planeta, como falamos aqui, é super dinâmico e criador de muitas possibilidades! O único processo não possível é a transformação de uma rocha sedimentar em ígnea, porque, para tal processo rolar, ela teria que se transformar primeiramente em rocha metamórfica.

Aprenda sobre rochas, camadas e mais sobre geologia

Uma explosão de conhecimento!

Não esqueça de deixar seu lindo comentário e dúvida (se houver)! =)