• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Quais os principais impactos urbanos do século XXI?

Quer saber tudo sobre os principais impactos urbanos do século XXI? Leia este resumo completo e mande bem na sua prova!

Após toda a mudança ocorrida no planeta a partir da revolução industrial inglesa, com o mundo se tornando progressivamente mais urbano do que rural, uma nova categoria de impactos surgiu em meio às múltiplas fases da revolução industrial. Cada uma dessas fases (a primeira da indústria têxtil e as maquinas a vapor, a segunda marcada pela metalurgia e indústria química e a terceira da microeletrônica, robótica e informática) disponibilizou avanços consideráveis aliados a novos problemas urbanos. Dessa maneira, os principais impactos e desafios para o século XXI se encontram dentro de cinco grupos temáticos, e estão correlacionados entre si. Esses grupos são: demográfico, socioespacial, ambiental, econômico, governança-institucional. Em cada um desses grupos vamos poder falar um pouco mais especificamente de impactos que esses primeiros anos do século XXI deixam como indicador da realidade que poderá ser enfrentada no futuro deste século.

Cinco grupos de diferentes impactos urbanos

1

  • Demográfico – A explosão demográfica prevista pelo Instituto Francês de Estudos Demográficos (Ined), indica que até 2050 a população mundial deve chegar a 9,7 bilhões de pessoas, frente aos 7,1 bilhões atuais. Desse total 86% da população de países ricos e 67% em países pobres estarão vivendo em áreas urbanas, representando uma média de 75% da população mundial residindo em áreas urbanas. Esse crescimento urbano vai gerar um aumento na demanda de energia, moradia e empregos nas cidades, aumento da produção de lixos sólidos e esgoto, ocupações irregulares ou em áreas de proteção ambiental, causando maior pressão sobre o meio ambiente e também uma mobilidade urbana mais intensa, com o aumento de veículos, e um significativo aumento da poluição do ar, pela emissão de carbono.

2

  • Socioespacial – O crescimento urbano e a necessidade de novas moradias e empregos vão proporcionar problemas socioespaciais, como a precarização das moradias e relações de trabalho, além da violência urbana. O contínuo movimento de êxodo rural em busca de melhor condição de vida mantém o mesmo panorama do seu início, com pessoas morando nas periferias, em locais com infraestrutura urbana de baixa qualidade, devido ao processo de encarecimento do solo urbano em locais mais bem aparelhados. Essa realidade é fruto da falta de bons empregos para esse novo contingente populacional e de um bom planejamento urbano feito previamente, pensando em minimizar tais impactos e diminuir a desigualdade social, fazendo investimentos em áreas mais pobres, em detrimento de atender somente as demandas do mercado, principalmente o imobiliário.

3

  • Ambiental – A questão ambiental é provavelmente a maior preocupação em relação aos impactos urbanos que já temos e se acentuarão nos próximos anos, basta ver a disseminação do discurso sustentável e das recorrentes reuniões e congressos que buscam soluções para a diminuição da emissão de gases e outros poluentes no meio ambiente. Recursos como a água já causam sérias preocupações, com a possibilidade do racionamento e até mesmo da falta em alguns lugares, devido ao aumento da população mundial. As áreas verdes cada vez são menos visíveis na paisagem urbana, e com esse fator de continuo crescimento urbano fatalmente terão seu espaço diminuído, devido as ocupações irregulares que esse contingente demanda. Outro impacto urbano ambiental é a falta de saneamento básico, principalmente nos países pobres ou em desenvolvimento, causando contaminação do solo e das águas.
4

Substituição dos guichês de estacionamento por máquinas.

  • Econômico – A questão do emprego, cada vez mais demandando especialização e competindo constantemente com a evolução tecnológica, que acaba por fechar postos de trabalho (substituição de guichês de estacionamento de shoppings por máquinas, e mesmo os bancos com caixas eletrônicos, entre outros). Tudo isso vai transformando o espaço urbano das cidades em locais de conflitos econômicos, proporcionando até o aumento da informalidade na busca pela sobrevivência. Nesse aspecto, não podemos deixar de citar as crises econômicas mundiais, que causam desemprego e desestabilizam a economia.

5

  • Governança e institucional – O impacto urbano da governança e das instituições ocorre, principalmente, pela necessidade de que todos os problema anteriores sejam, de certa forma, geridos pelo poder público, e em parte pelas empresas privadas. A necessidade de que ocorra um planejamento urbano frente às necessidades e demandas mundiais desse século tem vital importância para os rumos que o planeta seguirá, principalmente considerando a questão ambiental como a chave para tomada de decisões. Esquecendo as demagogias, o crescimento sustentável é mais do que necessário: é obrigatório, uma vez que a falta de controle e bom uso dos recursos naturais condenará a humanidade a um quadro de catástrofe sem precedentes, frente à capacidade humana de gerar poluição e interferir diretamente no fluxo natural que o meio ambiente necessita para se manter equilibrado.

 

Desafios para o século XXI

6

Diante de tão grandes desafios que esse século apresenta, com dados que nos causam espanto e expõem a seriedade que cada decisão tem para o futuro da civilização, alguns desafios se mantêm como aqueles que poderão nos indicar o caminho a seguir, principalmente no meio urbano, local onde habita a maior parte da humanidade e que tem maior poder destrutivo e de influência no meio ambiente. É necessário um compromisso com um planejamento urbano efetivo, capacidade de governança aliada, com poder público e privado agindo conjuntamente na busca pelo equilíbrio e uma gestão eficaz. O resultado dessas ações pode gerar otimização demográfica e econômica, beneficiando a proximidade das pessoa com o trabalho, minimização do custo de transporte, otimização do uso do solo, preservação ambiental em espaços urbanos. Dessa forma e com essas ações é possível conseguir superar esses desafios de forma aceitável e sustentável no século XXI.

 

 

Exercícios

1. (UERJ)

7

O lixo gerado especialmente nas cidades mais populosas se tornou, no último século, um dos fatores causadores de impactos ambientais nem sempre reversíveis a curto prazo.
Um dos problemas e uma das soluções relativos ao acúmulo do lixo em áreas urbanas estão apresentados em:

a) poluição de ecossistemas fluviais – coleta seletiva

b) aumento da emissão de gases – remodelação de áreas de risco

c) destruição de reservas florestais – reciclagem de resíduos tóxicos

d) diminuição dos reservatórios de água – redistribuição de núcleos populacionais

 

 

2. (ENEM) A falta de água doce no planeta será, possivelmente, um dos mais graves problemas deste século. Prevê-se que, nos próximos vinte anos, a quantidade de água doce disponível para cada habitante será drasticamente reduzida.

Por meio de seus diferentes usos e consumos, as atividades humanas interferem no ciclo da água, alterando:

a) a quantidade total, mas não a qualidade da água disponível no planeta.

b) a qualidade da água e sua quantidade disponível para o consumo das populações.

c) a qualidade da água disponível, apenas no subsolo terrestre.

d) apenas a disponibilidade de água superficial existente nos rios e lagos.

e) o regime de chuvas, mas não a quantidade de água disponível no Planeta.

 

3. (UNIRIO-RJ) A ideia de desenvolvimento sustentável tem sido cada vez mais discutida junto às questões que se referem ao crescimento econômico. De acordo com este conceito considera-se que:

a) o meio ambiente é fundamental para a vida humana e, portanto, deve ser intocável.

b) os países subdesenvolvidos são os únicos que praticam esta ideia, pois, por sua baixa industrialização, preservam melhor o seu meio ambiente do que os países ricos.

c) ocorre uma oposição entre desenvolvimento e proteção ao meio ambiente e, portanto, é inevitável que os riscos ambientais sustentem o crescimento econômico dos povos.

d) deve-se buscar uma forma de progresso socioeconômico que não comprometa o meio ambiente sem que, com isso, deixemos de utilizar os recursos nele disponíveis.

e) são as riquezas acumuladas nos países ricos, em prejuízo das antigas colônias durante a expansão colonial, que devem, hoje, sustentar o crescimento econômico dos povos.

 

Gabarito

1. A

2. B

3. D