• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Geografia: Economias Emergentes e suas Influências

Economias Emergentes e suas Influências? Sim! Esse é o tema da aula ao vivo de Geografia dessa quarta-feira! icon biggrin Geografia: Toyotismo e Terceira Revolução Industrial
Venha aprender com os professor Cláudio Hansen e preparar-se cada vez mais para os vestibulares e ENEM! Não esqueça de verificar, abaixo, os horários das aulas e o material de apoio! :))

tumblr_Blog-320x320px_Hansen
Geografia: Economias Emergentes e Suas Influências
Turma da Manhã: 10:15 às 11:15, com o professor Hansen
Turma da Noite: 19:45 às 20:45, com o professor Hansen

Faça download dos materiais, é só clicar aqui embaixo:

Material de Aula ao Vivo
Lista de Exercícios

MATERIAL DE AULA AO VIVO

1. Os líderes dos países que integram os BRICs – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – encerraram seu terceiro encontro com um comunicado em que pedem conjunta e explicitamente, pela primeira vez, mudanças no Conselho de Segurança das Nações Unidas. O texto defende reformas na ONU para aumentar a representatividade na instituição, além de alterações no Fundo Monetário Internacional e no Banco Mundial. Para os líderes dos BRICs, a reforma da ONU é essencial, pois não é mais possível manter as formas institucionais erguidas logo após a Segunda Guerra Mundial.

(Adaptado de O Globo, 5/04/2011).

Uma das principais mudanças no contexto internacional contemporâneo que se relaciona com as reformas propostas pelos Brics está indicada em:
a) afirmação da multipolaridade
b) proliferação de armas atômicas
c) hegemonia econômica dos E.U.A.
d) diversificação dos fluxos de capitais

 

Gabarito

1. A

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

PPPP

(http://www.mme.gov.br/sgm/galerias/arquivos/plano_duo_decenal/estudos_economia_setor_mineral/P01_RT03_Perspectivas_de_evoluxo_das_trocas_setoriais_entre_as_economias_brasileira_e_mundial_a_mxdio_e_longo_prazos.pdf).

Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena variação entre as quantidades máxima e mínima em cada ano. Por sua vez, os produtos semimanufaturados, após período de estabilidade, começam a mostrar tendência de crescimento. Enquanto isso, as quantidades importadas de produtos manufaturados tiveram crescimento continuo e foram fortemente aceleradas nos dois últimos anos, impulsionadas pela demanda doméstica e pela forte valorização do real.

(http://www.aeb.org.br/userfiles/file/AEB%20%20Radiografia%20 Com%C3%A9rcio%20Exterior%20Brasil.pdf. Adaptado)

A leitura das características do comércio internacional do Brasil em dois momentos (1995 e 2007) permite concluir que:
a) somente uma maior nacionalização da economia permitirá ao Brasil superar o atraso tecnológico, que o torna dependente da importação de produtos industrializados.
b) mesmo com os esforços desenvolvimentistas do Estado, o Brasil conserva sua vocação agrícola, já que a exportação de commodities e suficiente para custear a importação de produtos industrializados.
c) embora o Brasil se equipare em termos de competitividade com outros países industrializados, o forte crescimento do mercado interno exige a importação de manufaturados.
d) apesar da posição do Brasil na Nova Divisão Internacional do Trabalho, o país ainda mantém a dependência na importação de produtos de alto valor agregado.
e) o fato de as atividades industriais manterem-se fortemente concentradas explica a baixa produção e a necessidade de importação de bens manufaturados.
2. Leia o texto abaixo.

China dobra participação na economia mundial em cinco anos

“O PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas por um país) da China alcançou ao fim de 2010 a marca de 9,5% do total mundial, com o que duplicou a participação que havia registrado cinco anos antes, […] A China também tomou do Japão o posto de segunda maior economia do mundo em 2010”.

<http://noticias.r7.com/economia/noticias/china-dobra-participacao-na-economia-mundial-em-cinco-anos-20110325.html>. Acesso em: 15 ago. 2011.

Vários países membros da OMC (Organização Mundial do Comércio) criticam uma prática presente na economia chinesa que contribuiu para o seu crescimento, mas que, segundo esses países, é prejudicial à economia mundial.
A crítica feita por membros da OMC às práticas comerciais da China gira em torno principalmente do(a)
a) Fim do protecionismo chinês em relação aos produtos oriundos de outros mercados.
b) Barateamento dos produtos chineses no mercado mundial por meio da desvalorização artificial da moeda chinesa em relação ao dólar.
c) Elevação das importações chinesas e sobrevalorização do preço dos produtos no mercado mundial.
d) Aumento dos investimentos externos na China em função das altas taxas de juros pagas pelo governo chinês.
e) Crescimento das práticas consideradas sustentáveis, como o recente investimento em energias limpas e renováveis como a solar e a hidroelétrica.
3. O G-20 é o grupo que reúne os países do G-7, os mais industrializados do mundo (EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Canadá), a União Europeia e os principais emergentes (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Coréia do Sul, Indonésia, México e Turquia). Esse grupo de países vem ganhando força nos fóruns internacionais de decisão e consulta.

(ALLAN, R. Crise global. Disponível em: http://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br. Acesso em: 31 jul. 2010.)

Entre os países emergentes que formam o G-20, estão os chamados BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), termo criado para referir-se aos países que
a) apresentam características econômicas promissoras para as próximas décadas.
b) possuem base tecnológica mais elevada.
c) apresentam índices de igualdade social e econômica mais acentuados.
d) apresentam diversidade ambiental suficiente para impulsionar a economia global.
e) possuem similaridades culturais capazes de alavancar a economia mundial.
4. Eu e minha mulher somos de gerações que viveram cada minuto da Guerra do Vietnã (1959-1975), uma das mais sangrentas de todos os tempos. Por isso, nossa visita a esse país teve um sentido muito especial.
O país hoje é um formigueiro em atividade, onde todos correm para recuperar o tempo perdido. A renda per capita ainda é muito baixa: US$ 700 por ano. O salário mínimo também é baixo: US$ 30. Embora todos os preços sejam baixos, esses valores dão uma ideia do tipo de vida, ainda austera, que levam os vietnamitas.
A guerra consumiu gerações inteiras. A maioria esmagadora da população hoje é de jovens, o que talvez explique o predomínio da motocicleta como meio de transporte. Quase não há transporte coletivo, e são poucos os carros. Enxames de motos dominam as ruas. A moto mais barata vem da China e custa US$ 300. Equivale a dez meses de salário mínimo. Em Cidade de Ho Chi Minh, há 4 milhões de motos para 2 milhões de famílias.

(Bernardo Kucinski Adaptado de redebrasilatual.com.br, julho de 2010).

No relato de sua visita ao Vietnã, o autor faz referência a algumas das características atuais daquela sociedade.
Essas características se relacionam com a seguinte mudança recente na história do país:
a) fim do partido comunista
b) liberalização do fluxo migratório
c) flexibilização da moeda nacional
d) implantação do socialismo de mercado

 

Gabarito

1. D
2. B
3. A
4. D