• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Agricultura – Primeira Parte

Olá, boa tarde, meus nerds queridos! :)

Já chegamos na metade da semana e não quero ver ninguém relaxando, hein? Vamos manter o foco que daqui a pouquinho chega o tão desejado fim de semana.

O tema de hoje é a Agricultura. Nessa primeira parte, falaremos sobre os diversos sistemas de cultivo e suas estruturas de produção. Já na segunda parte, falaremos sobre as relações de trabalho no campo e faremos um pequeno panorama sobre a Agricultura no Brasil.

E aí, preparados? Então, vamos lá! 🙂

– Sistemas de Cultivo:

a) Agricultura de Subsistência: É uma produção voltada para suprir a necessidade da população vinculada a esse sistema produtivo. Suas características principais são a mão de obra familiar, baixa capitalização, pequenas e médias propriedades, baixa tecnologia e produtividade reduzida. Dentro da agricultura de subsistência, existe o conceito de rotação de terras, que consiste na migração do agricultor após a utilização do solo que se tornou infértil. Por isso, alguns consideram a agricultura de subsistência como uma agricultura itinerante.

b) Empresas Agrícolas: Suas características são a alta capitalização, insumos modernos, produtividade elevada, mecanização intensa, mão de obra qualificada, produção em larga escala, cultivos de rico (valorizados no exterior), além de ser praticada em grandes propriedades monocultoras. A produtividade elevada é comum nas grandes empresas chamadas de complexos agroindustriais. Tais complexos associam o capital agrícola à indústria e ao capital financeiro. Devido à sua grandiosidade, possibilita-se uma competição em escala global com outras empresas produtoras. Além disso, o complexo agroindustrial é responsável por grande parte da produção mundial de grãos.

c) Plantation: Historicamente suas características são a monocultura, mão de obra escrava e produção voltada para o mercado externo, além de ser feita em grandes latifúndios. Atualmente, mantém-se todas as características, exceto a mão de obra escrava que foi substituída por relações atrasadas de trabalho.

*

E aí, descomplicou? Espero ter ajudado! 🙂

Fiquem ligados que logo logo postarei a segunda parte, falando sobre as relações de trabalho agrícolas e também sobre a Agricultura no Brasil.

Até a próxima! 🙂