• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

7 fatos futebolísticos que podem cair no seu vestibular e que a Física descomplica para você

Futebol é um esporte de movimento no qual o repouso é apenas uma pausa de alguns instantes. O jogo começa quando a bola rola, mas o futebol mesmo acontece quando assistimos ao drible genial, ao chute perfeito, à defesa fenomenal, ao gol. O repouso e a quietude absolutos que precedem a cobrança de um pênalti numa final de campeonato são como cortinas que escondem a celebração ao movimento, traga ele alegrias ou tristezas.

 

1. Abrem-se as cortinas! O espetáculo já vai começar… e a bola vai voar!

Galileu Galilei já percebera que a trajetória de um projétil de canhão, após seu lançamento, era uma parábola, e que o movimento do projétil era constituído de dois movimentos independentes. Certamente, se Galileu tivesse assistido à copa de 1970 e aos longos lançamentos de Gérson, o “canhotinha de ouro”, ele teria se divertido tanto quanto eu quando meu pai me mostrou pela primeira vez. Nesse tipo de lançamento, o alcance da bola será máximo quando o ângulo com a horizontal de chute for 45°, tendo como expressão Amax = (V0)²/g. Ou seja, o jogador tem que ser habilidoso e conseguir conferir à bola uma velocidade inicial grande!

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Depois de um lançamento lindo, só uma defesa hilária e incrível como essa pra ofuscar!

 

2. Quando um não quer, dois não brigam

No Brasil, não é raro o árbitro de futebol, após uma disputa de bola, advertir os dois jogadores envolvidos, mesmo que um deles não tenha feito nada. Talvez o árbitro esteja, nesse caso, considerando o incidente como uma aplicação ao extremo – e não autorizada! – da terceira lei de Newton: um jogador agiu empurrando o peito do outro, e este reagiu dando uma peitada na mão do primeiro, no mesmo instante e com a mesma intensidade… E então, advertência para os dois!

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Sir Isaac Newton mandaria esses dois pra escola de teatro!

 

 3“Ripa na chulipa e pimba na gorduchinha!”

Outro fator importante no futebol é o impulso (lembre-se de que I=FΔt). Quanto maior for o impulso transferido à bola, maior será sua velocidade após o chute. O jogador tem duas alternativas para isso: ou aumentar a força sobre a bola ou aumentar o tempo de contato entre o pé e a bola. Aumentar a força sobre a bola de fato funciona. Na prática, porém, aumentar o tempo de contato, não. Como a bola é um objeto leve, assim que o jogador aplicar uma força, ela irá se mover, e quanto maior for essa força, mais rapidamente ela irá se mover. Ou seja, num chute forte, rapidamente bola e pé perdem contato. Se o jogador quiser aumentar o tempo de contato, terá que aplicar uma força bem pequena para a bola não se mover, pois o impulso irá diminuir!

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Esse aí nem pequena força consegue aplicar na bola!

 

 4Um pouco da biomecânica de um chute

Força está para movimento linear assim como torque está para movimento angular. Mas, o que isso tem a ver com futebol? Acontece que o movimento humano só é possível porque nossos músculos geram força, a qual, por sua vez, puxa os ossos e os faz rodar ao redor das articulações! Um chute de peito de pé, por exemplo, pode ser dividido em três fases distintas: 1ª) o jogador recua a perna e flexiona o joelho; 2ª) rotaciona a perna para frente, aumentando a velocidade angular da coxa e 3ª) diminui a velocidade angular da coxa e aumenta a da perna, transferindo energia cinética da coxa para a perna. Olha o quanto de física um chute pode envolver!

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Acho que ele não esperava a chegada da energia cinética por trás!

 

 

5. Energia solar renovável em estádios de futebol

Painéis solares são dispositivos que geram energia elétrica a partir da energia luminosa do Sol. Um dos problemas da geração de energia com painéis solares é a necessidade de grandes áreas. A colocação de células fotovoltaicas nos tetos de estádios de futebol é uma solução que ajuda a resolver o problema. Essa energia é utilizada para iluminação e funcionamento do estádio em dias de jogo e o excedente, nos dias em que não há jogo, pode ser fornecido à cidade. Por exemplo, 8.844 coletores solares foram instalados na cobertura do Estádio Nacional de Kaohsiung, em Taiwan, em 2009. O estádio tem capacidade para gerar cerca de 1 milhão de kWh de energia por ano, que corresponde ao consumo de 350 residências. Embora a energia solar seja abundante e gratuita, a construção do painel solar ainda é muito cara.

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Sempre tem algo (ou alguém) pra trolar a gente…

 

 

 

6. Aclimatação de jogadores

À medida que a altitude aumenta, o gás da atmosfera vai se rarefazendo e, assim, o valor da pressão atmosférica diminui. O gás rarefeito contém menos moléculas de oxigênio, razão pela qual uma pessoa não aclimatada pode ter dificuldade em respirar. A fim de oxigenar adequadamente o corpo, a taxa de respiração tem que aumentar. Mesmo assim, a quantidade de oxigênio pode não se igualar àquela ao nível do mar, e o corpo precisa respirar mais e produzir mais hemácias. A isso se chama de aclimatação, a qual pode levar até duas semanas para uma pessoa que vai do nível do mar até uma localidade a cerca de 2.300 m de altitude, por exemplo.

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Acostume-se ao local, se não você fica assim.

7. Efeito da pressão atmosférica externa à bola

Outro efeito relacionado ao ar é que os jogadores costumam se queixar de que a bola fica mais leve quando eles jogam em cidades localizadas em grandes altitudes. Se a pressão atmosférica local for baixa, implica que haverá menos moléculas de ar por unidade de volume. Assim, uma bola chutada vai mais alto e mais longe, por sofrer menos atrito com as moléculas do ar. A sensação para o jogador é de que a bola está mais leve, mas a massa dela continua a mesma, entre 410 g e 450 g. É que nas bolas em movimento no ar age uma força que se opõe ao movimento, chamada de força de arrasto, que se origina do atrito. Outra dica sobre pressão: a cada 10 m que um mergulhador desce no mar, a coluna d’água exerce uma pressão de 1 atm, ficando sujeito a 2 atm de pressão.

Sete lances do futebol que podem ser explicados pela Física

Nessa caso, não é a bola que está leve.

Espero que eu tenha te convencido sobre o tanto de física que existe no futebol. Agora VOCÊ está preparado para quaisquer picuinhas futebolísticas que possam cair na sua prova de vestibular!