• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Como é caracterizado o Sistema Digestivo?

Aprenda tudo sobre Sistema Digestivo com este resumo e aproveite para resolva exercícios de vestibular e testar seus conhecimentos!

A cavidade corporal onde atuam as enzimas digestivas, juntamente com os órgãos que participam da digestão, constitui o sistema digestivo.

Como classificamos o sistema digestivo?

O sistema digestivo pode ser classificado como completo, quando o tubo digestivo apresenta duas aberturas (boca e ânus) e incompleto, quando existe apenas uma abertura no tubo. Com exceção dos cnidários e platelmintos, todos os outros animais – nematelmintos, anelídeos, moluscos, artrópodes e cordados – apresentam sistema digestivo completo.

Animais com tubo digestivo completo podem ser classificados, ainda, quanto à origem dos orifícios. Se o blastóporo, uma abertura formada no embrião durante o estágio embrionário de gástrula, origina a boca, como é o caso de nematelmintos, anelídeos, moluscos e artrópodes, é dito que o animal é protostomado. Se o blastóporo origina o ânus, como é o caso de cordados e equinodermos, é dito que o animal é deuterostomado.

Quais as regiões especializadas do tubo digestivo?

O tubo digestivo possui diversas regiões especializadas que atuarão em sequência na digestão e absorção de nutrientes.

Boca

Na boca estão presentes estruturas relacionadas com a captura, manipulação e trituração do alimento, além de glândulas produtoras de muco e enzimas.

boca

Glândulas salivares, os dentes e a língua. Esses participam da digestão química (enzimas) e mecânica (mastigação).

Em humanos, a digestão química se inicia na boca com a ação da amilase salivar ou ptialina, responsável pela digestão de amido em ph 7. A digestão mecânica em humanos é realizada através da mastigação, que despedaça o alimento, aumentando sua superfície de contato e auxiliando assim no papel das enzimas. Em insetos sugadores de sangue (hematófagos), as glândulas salivares liberam substâncias anestésicas e anticoagulantes, facilitando assim o parasitismo, já que o hospedeiro teria maior dificuldade em perceber o hematófago.

Faringe e Esôfago

A região que sucede a boca é a faringe. Em alguns animais a faringe é dotada de músculos potentes que os permitem sugar alimento. Após a faringe encontra-se o esôfago, cuja função é conduzir o alimento ao papo, à moela ou ao estômago, dependendo da espécie animal.

galeria12

Regiões da faringe

Papo e moela

Minhocas, insetos e aves apresentam uma região dilatada do tubo digestivo, o papo, especializada em armazenar temporariamente o alimento ingerido. Além disso, o papo umedece o alimento e facilita sua digestão. Minhocas, alguns insetos e aves apresentam a moela, uma região do tubo digestivo dotada de parede muscular grossa. As fortes contrações da moela permitem moer o alimento, realizando a digestão mecânica do alimento, facilitando a ação das enzimas digestivas, graças ao aumento da superfície de contato.

tubodigestivo

Papo e moela em aves.

Estômago

O estômago é uma região dilatada do tubo digestivo, que está presente em muitos grupos animais. No estômago o alimento é misturado a enzimas e a digestão prossegue. Água e determinados nutrientes são absorvidos pelas células da parede estomacal e distribuídos para todo o corpo.

estomago-7

Localização do estômago humano

Em humanos, o estômago produz ácido clorídrico, reduzindo o pH para 2, ideal para a atuação das enzimas estomacais como a pepsina, responsável pelo início da digestão de proteínas. A pepsina permanece em sua forma inativa, o pepsinogênio, até entrar em contato com o suco gástrico, sendo assim convertida em sua forma ativa, a pepsina. No estômago ocorre a formação do quimo, que é o nome que se dá ao bolo alimentar, depois dele sofrer a ação das enzimas estomacais. O quimo tem pH ácido.

Em animais herbívoros ruminantes, o estômago é subcompartimentalizado em regiões com funções específicas e ricas em bactérias endossimbióticas capazes de fermentar a celulose. O estômago deles é dividido em pança, barrete, folhoso e coagulador. O animal, inicialmente, mastiga pouco o alimento e o deglute, enviando-o a pança, onde sofre outro processo de digestão mecânica e ações de microrganismos que degradam a celulose daquele vegetal ingerido. Após a fermentação, a celulose, o amido e os demais açúcares ali presentes produzem ácidos orgânicos, absorvidos por papilas na parede da pança. Esse processo gera também liberação de metano e gás carbônico.

O alimento processado na pança segue ao barrete, onde a degradação da celulose prossegue, junto a ação de bactérias e protozoários endossimbiontes. O barrete apresenta glândulas salivares, e o alimento misturado a saliva retorna a boca do animal, para ser mastigado novamente. O barrete tem também função protetora, retendo corpos estranhos (como pedras), impedindo sua passagem a outros compartimentos estomacais mais sensíveis. O alimento torna a ser engolido, e é direcionado ao folhoso, que possui lâminas musculares semelhantes às páginas de um livro, dotadas de papilas que absorvem nutrientes daquele alimento. Aquele alimento segue então para o coagulador, onde há enzimas digestoras de proteínas, como a pepsina, bem como ácido clorídrico (pode-se dizer que o coagulador funciona como um estômago humano). O alimento então segue para o intestino delgado (onde sofre ação de enzimas pancreáticas e intestinais), passa ao intestino grosso, e então é evacuado nas fezes.

ruminante

Intestino

O intestino é a porção do tubo digestivo que vai do estômago ao ânus. É nesse órgão que ocorre a maior parcela da digestão, catalisada por enzimas digestivas produzidas por células da parede intestinal  ou por glândulas anexas ao tubo digestivo. O intestino também é responsável pela absorção de nutrientes, que serão distribuídos a todas as células do organismo.

pancreas_fig1

Vesícula biliar, pâncreas e duodeno

Em humanos, o intestino delgado está divido em 3 regiões: duodeno, jejuno e íleo. É no duodeno que a digestão irá terminar. Portanto, ocorrerá a liberação de uma variedade de líquidos que auxiliarão na digestão nessa região. Dentre eles estão: O suco pancreático, contendo bicarbonato de sódio (aumenta o pH), amilase, lipase e nucleases (digestão de ácidos nucleicos). O suco entérico, produzido pelo próprio duodeno, contendo como enzimas as lipases, dissacaridases e peptidases, e a bile, composta por ácidos e sais biliares, água, pigmentos etc. É responsável pela emulsificação de gorduras. O quimo, após sofrer a ação de todas essas enzimas, tem seu pH aumentado (tornando-se alcalino) e passa a se chamar quilo. O jejuno e o íleo possuem um importante papel de absorção, por isso suas células apresentam grande quantidade de vilosidades e microvilosidades, que aumentam a superfície de contato com o alimento, facilitando a sua absorção. Já o intestino grosso se estende do íleo até o ânus e é responsável pela rápida absorção de água, formando o bolo fecal.

intestino-delgado

Intestino delgado de cor rosa ( duodeno, jejuno e íleo) e intestino grosso de cor marrom

Em animais herbívoros, o intestino é proporcionalmente maior que em carnívoros, pois os vegetais são pouco nutritivos e de difícil digestão.

sist dig mamíferos 3 j

Intestino de herbívoros e carnívoros

Cloaca e ânus

Em diversos animais, como anfíbios, répteis e aves, os dutos provenientes dos rins e das gônadas desembocam no intestino, em uma bolsa chamada cloaca, a qual se abre para o exterior do corpoJá nos mamíferos e outros grupos, o tubo digestivo se abre em um ânus, que é independente das aberturas do sistema excretor e reprodutor.

Exercícios

1. (UFRJ-2006) A Figura 1 a seguir mostra as vilosidades do intestino de uma serpente após um longo período de jejum, enquanto a Figura 2 mostra a mesma região minutos após a ingestão de alimentos.

violosidades

Essa rápida alteração nas vilosidades é causada por um intenso aumento da irrigação sangüínea na porção interna dessas estruturas. Tal mudança após a alimentação é importante para o aumento da eficiência do processo de nutrição das serpentes. Por que a alteração nas vilosidades contribui para a eficiência da nutrição das serpentes? Justifique sua resposta.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO! 

2. (FUVEST-2006) A ingestão de alimentos gordurosos estimula a contração da vesícula biliar. A bile, liberada no a) estômago, contém enzimas que digerem lipídios.
b) estômago, contém ácidos que facilitam a digestão dos lipídios.
c) fígado, contém enzimas que facilitam a digestão dos lipídios.
d) duodeno, contém enzimas que digerem lipídios.
e) duodeno, contém ácidos que facilitam a digestão dos lipídios.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO! 

3. (Mack-2007) 
I. Início da digestão de amido
II. Emulsionamento de lipídeos
III. Absorção de água
IV. Término da digestão de proteínas

Os eventos da digestão citados acima ocorrem, respectivamente,

a) no esôfago, no fígado, no intestino grosso e no intestino delgado.
b) na boca, no pâncreas, no duodeno e no estômago.
c) na boca, no duodeno, no intestino grosso e no jejuno-íleo.
d) no estômago, no fígado, no pâncreas e no intestino grosso.

VEJA COMO RESOLVER PASSO-A-PASSO ESTA QUESTÃO! 

 

 GABARITO

1.  Porque o aumento de tamanho das vilosidades aumenta a superfície de contato com o alimento, facilitando a sua absorção

2. E

3. C