• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

As doenças que podem cair no ENEM e que devem cair bem longe de você na vida real

Ao ler e ouvir cada vez mais notícias sobre o ebola, me perguntei como essa doença absurdamente mortal ainda não havia sido erradicada, ou como ainda não havia estudos avançados sobre ela.

O ebola teve o seu primeiro surto em 1976, próximo ao rio Ebola, na República Democrática do Congo e no Sul do Sudão. Desde então os estudos sobre a doença acontecem como passos de tartaruga.

Esse vírus é transmitido pelo contato com fluidos corporais, sangue, podendo ser passado até através de cadáveres. Seus sintomas são febre, dor de cabeça, vômitos, diarreia e hemorragias e, como dito acima, ainda não há vacina, ou tratamento eficaz. A sua taxa de mortalidade é de 50% a 90%!

Entretanto, o Ebola acaba de chegar aos EUA e agora a ONU quer ter progresso quanto ao tratamento dessa doença em 60 dias!

 

Não sei se só eu notei, mas essa doença era negligenciada pelas autoridades, por fazer parte de países pobres, como os africanos. Ou seja, como os únicos atingidos eram países de baixa renda, não havia interesse no investimento na cura ou tratamento eficaz dela.

E se você acha que só os africanos possuem doenças negligenciadas, saiba que aqui no Brasil isso também aconteceu.

Fique indignado! É triste, mas é verdade.

São elas as Doença de Chagas, Doença do Sono, Leishmanioses, Malária, Febre Amarela, Tuberculose, Dengue, entre outros. Atualmente algumas delas possuem vacinas. Outras possuem tratamentos. Mas por muito tempo foram doenças que não possuíam importância para o investimento quanto ao tratamento. Para a dengue, por exemplo, foi descoberta muito recentemente uma forma de diminuir cada vez mais a sua transmissão. Já estão sendo liberados mosquitos que estão “infectados” com uma bactéria que os impede de transmitirem a doença.

Fiquem ligados, pois o ENEM está cada dia mais próximo e as doenças, principalmente as brasileiras citadas acima, podem cair. Então, não se esqueça de estudá-las 😉

Por: Thamirys Moraes.