• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Trocar contraste

Confira mais 9 temas de atualidades que definitivamente podem aparecer na sua prova do ENEM

Para quem conferiu o nosso post com os 9 temas de atualidades que definitivamente podem aparecer na sua prova do ENEM, aqui vai uma surpresa: preparamos a parte II! Confira mais 9 temas que podem aparecer na sua redação e aproveite para assistir uma aulinha sobre cada um deles! :]

1. Trinta e cinco anos da Revolução Xiita do Irã

Há 35 anos atrás, uma revolução popular no Irã derrubou a ditadura do Xá Mohhammed Reza Pahlevi. Batizada, de “Revolução Islâmica”, por causa do papel hegemônico exercido pelo clero xiita, a revolução de 1979 é considerada o marco da ascensão mundial do ativismo muçulmano. A revolta civil acabou confiscada pelos clérigos, que transformaram o país numa teocracia xiita (vertente minoritária no islã, mas majoritária no país persa). Colocado como o Líder Supremo da nação, o aiatolá Khomeini afastou a intervenção ocidental e privilegiou a retomada dos costumes e políticas subordinadas às tradições de fundo religioso. Dessa forma, o Irã se transformou em uma teocracia marcada por alguns elementos democráticos e, ao mesmo tempo, de natureza republicana.

Ainda hoje, sendo controlados por uma elite religiosa, os iranianos sustentam um discurso oficial de aversão explícita aos EUA.

 

 

 

2. Conflitos na Síria

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o conflito de três anos na Síria já deixou mais de 191 mil mortos até abril. O levante contra o regime de Bashar al-Assad teve início em 15 de março de 2011, durante a insurreição da Primavera Árabe, período em que as populações de países árabes, como Tunísia, Líbia e Egito se revoltaram contra os governos de seus países. Inicialmente, a principal reivindicação dos manifestantes era por um sistema político mais democrático e maior liberdade de expressão em um dos países mais repressivos do mundo árabe. Há quase 50 anos, a Síria é governada pelo mesmo partido, o Baath.

A não aceitação das reivindicações e a repressão efetuada pelas forças militares de Al-Assad aumentaram as tensões políticas, levando a oposição a empreender uma luta armada contra o governo. Os confrontos se transformaram em guerra civil e, além dos milhares de mortos, forma responsáveis por outros milhões de refugiados, sem acesso a alimentos e remédios. Entre elas, estão mulheres e crianças.

 

 

3. Cinquenta anos do Golpe Militar

Em 2014, o golpe que instaurou a ditadura militar no Brasil completa 50 anos. Em 1964, o ambiente político e econômico turbulentos proporcionaram as condições para a ocorrência do golpe. A inflação acumulada em um ano chegara a 80% e as riquezas do país estavam encolhendo, além da falta de gêneros de primeira necessidade – alguns deles racionados, como o caso do açúcar. Havia uma distribuição de energia precária, a mesma coisa para a água. Transportes coletivos também. Por conta das greves, muitas vezes não eram disponíveis.

O período governado pelos militares (foram cinco generais) foi marcado pelos atos institucionais, como o AI-5, considerado o mais duro deles que, entre outras barbaridades, proibiu a concessão de habeas corpus para presos políticos, dando o sinal verde para a tortura.

Enquanto a propaganda oficial falava em Brasil grande, com obras monumentais e elevado crescimento econômico durante a primeira metade da década de 1970 (no chamado “milagre econômico”), a repressão e a censura eram intensas com mortes e desaparecimentos de muitos presos.

 

 

4. Cem anos da 1ª Guerra Mundial

A Primeira Guerra Mundial foi o primeiro grande conflito internacional do século vinte. O assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono austro-húngaro, e de sua esposa, a arquiduquesa Sofia, em Sarajevo, no dia 28 de junho de 1914, desencadeou as hostilidades que começaram em agosto de 1914 e se prolongaram por várias frentes durante os quatro anos seguintes.

A eclosão do conflito esteve relacionada às tensões crescentes entre as potências imperialistas, que buscavam matérias-primas, necessárias em quantidade cada vez maior, em função da Segunda Revolução Industrial.  A corrida imperialista levou à disputa pelo controle de novas colônias na África e na Ásia. A Alemanha despontava como potência industrial e ameaçava a liderança do império inglês. Ao mesmo tempo, os franceses guardavam fortes ressentimentos contra o país germânico por conta da Guerra Franco-Prussiana, onde perderam o território da Alsácia-Lorena. Dos quatro anos do conflito, algumas características foram marcantes, como a politica de alianças, com a formação da Tríplice Entente, com Inglaterra, França e Rússia, e a Tríplice Aliança, com a Alemanha, o Império Austro-Húngaro e a Itália. Além disso, pela primeira vez, o uso de pesados armamentos e as três fases que marcaram a guerra: a fase de movimento, quando o jogo de Alianças e as hostilidades arrastaram vários países para o conflito, a fase da  guerra de trincheiras e a fase das ofensivas.

 

 

5. Coreia do Norte

Um dos países mais fechados do mundo, a República Popular Democrática de Coreia (RPDC) – nome oficial da Coreia do Norte – aparece frequentemente no noticiário, seja pelos exercícios militares, que apontam para existência de pesquisas voltadas para o desenvolvimento de armas nucleares, preocupando o mundo, seja pelas medidas de extremo autoritarismo do governo. Por trás dessa tentativa de aparecer para o mundo, existe a realidade de um povo norte-coreano, faminto e oprimido por uma ditadura belicista e autoritária.

 

 

6. Copa do Mundo no Brasil

Em junho de 2013, o aumento na passagem de ônibus em São Paulo gerou uma série de protestos, que se espalharam por todo o país. Naquele contexto, surgiram as primeiras manifestações contrárias à Copa do Mundo no Brasil, com o #naovaitercopa. A insatisfação de parte da população era com as imposições da Fifa e os gastos públicos. A Copa do Mundo aconteceu em um clima de tranquilidade e, aos poucos, as insatisfações foram sendo substituídas pela euforia que o esporte mais popular do país proporciona. O sucesso da organização da Copa colocou o país em destaque em diversos noticiários pelo mundo.

 

 

7. Israel x Palestina

Mais um conflito e a atual tensão entre Palestina e Israel na Faixa de Gaza tem chamado a atenção dos telejornais pelos seus números assustadores. O conflito entre palestinos e israelenses tem um forte componente territorial uma vez que suas origens estão, principalmente, na divisão do território da antiga Palestina em duas partes: uma para os judeus e outra para os árabes.  Em 1947, pouco antes da retirada dos britânicos (a região – que até 1917 pertencia ao Império Otomano e depois, até 1948, foi um protetorado britânico – e passou a ter uma população judaica cada vez maior), a Organização das Nações Unidas (ONU) pôs em prática o plano de divisão, gerando insatisfação em torno do mapa definido pela ONU, que iniciou um período de guerras na região.

Em 1948, países árabes vizinhos tentaram invadir o recém-criado Estado de Israel. O conflito terminou com os israelenses mantendo seu território e os palestinos perdendo a chance de criar seu próprio Estado, já que Israel havia parte do território destinado aos palestinos pela ONU.

 

 

8. Questão Energética

O Brasil é um país com matriz energética diversificada e com dependência em relação aos combustíveis fosseis menor do que a matriz mundial. Na matriz brasileira, predominam as usinas hidrelétricas como principal fonte geradora de energia elétrica e, ao longo dos últimos anos, o uso cada vez maior de biocombustíveis, tem diminuído a dependência em relação ao petróleo como combustível. E em relação ao petróleo, as recentes reservas descobertas, como as do pré-sal, tem trazido um certo clima de tranquilidade em relação à sua necessidade crescente.

 

 

9. Vinte anos do genocídio de Ruanda

Em apenas cem dias em 1994, cerca de 800 mil pessoas foram massacradas em Ruanda por extremistas étnicos hutus. Eles vitimaram membros da comunidade minoritária tutsi, assim como seus adversários políticos, independentemente da sua origem étnica. Os vinte anos do massacre remetem a uma situação de tensão existente no continente africano ainda não resolvida: os conflitos étnicos que originaram guerras civis em alguns países, após o processo de descolonização iniciado no continente após a Segunda Guerra Mundial.

 

 

 

 

Prepare-se para encontrar esses temas no ENEM, assistindo as aulas e estudando as informações! E não esqueça: na próxima semana temos Semana de Aquecimento para o ENEM + Aulão #12hNerds, para te preparar às vésperas do ENEM! Esperamos por vocês! 😀