O que é estratificação social?

15/05/2015 Camila Paula

bolo

Para compreender melhor o que é estratificação social, me diga primeiro uma coisa: você gosta de bolo? É, isso mesmo: bolo. Quem não gosta de um bom bolo de festa, não é mesmo? Mais saboroso ainda é quando ele é daqueles enormes, cheios de camadas, e cada uma com um gosto diferente. Já pensou no trabalhão que dá fazer um bolo assim? Pois é, as boleiras demoram muito tempo nesta empreitada, e, para que tudo dê certo, têm que fazer o bolo camada por camada, estrato por estrato.

Em certo sentido, a sociedade também é assim, uma espécie de grande bolo, dividido em vários estratos. De fato, nenhum corpo social é homogêneo, mas sim profundamente heterogêneo: nele, os indivíduos não ocupam a mesma posição, status ou poder. Ao contrário, a ordem social é sempre múltipla: há, em seu interior, uma série de camadas, de estratos, de níveis sociais diferentes. Estes níveis é que diferenciam os indivíduos no meio social e a partir dos mais diversos âmbitos, seja o econômico, o político, o cultural, etc. Na prática, a estratificação social é tão somente isto: a divisão da sociedade em estratos, em camadas, em níveis sociais hierárquicos, isto é, superiores e inferiores.

Outro conceito sociológico muito importante e que está profundamente ligado à divisão da sociedade em camadas é o de mobilidade social. A mobilidade social é a capacidade que o indivíduo tem, dadas as condições de sua sociedade, de se transferir de um estrato social para outro, seja de uma camada social superior para uma inferior ou vice-versa. Portanto, comunidades com grande mobilidade social são aquelas em que é fácil um rico se tornar pobre ou um marginalizado ser aceito socialmente. Por outro lado, quanto mais difícil é que isto aconteça, menor é a mobilidade social.

A respeito da estratificação social, há também um elemento curioso. Com efeito, apesar de ser uma característica constante ao longo das diversas sociedades, a estratificação se expressou dos mais diversos modos, manifestando, assim, diversos tipos ao longo da história. Neste sentido, de modo prático, podemos dizer que há três tipos de divisão da sociedade em camadas: a estratificação por castas, a estratificação por estamentos e a e estratificação por classes. Vejamos agora um a um.

castas

A estratificação por castas, típica da sociedade tradicional hindu, é aquela na qual as camadas sociais estão associadas a certas funções no interior da sociedade e na qual a mobilidade social é rigorosamente impossível, pois o pertencimento a uma casta é determinado pela família da qual se é membro. Na Índia antiga, por exemplo, os brâmanes constituíam a casta mais elevada, responsável pelas funções sacerdotais; por sua vez, imediatamente abaixo deles, estavam os xátrias, que compunham o grupo dos guerreiros. Ora, no sistema de castas não há qualquer tipo de mobilidade social, pois a transferência de casta é proibida e um indivíduo só pode se casar com outro indivíduo da mesma casta. Assim, uma brâmane jamais poderia abdicar de suas funções sacerdotais ou ser casada com um xátria.

A estratificação por estamentos, típica da Idade Média feudal, é um sistema um pouco mais flexível do que o regime de castas. Na estratificação por estamentos, as camadas da sociedade permanecem sendo associadas a certas funções sociais, porém, a mobilidade social é possível, ainda que difícil. Na Europa medieval, por exemplo, cabia ao clero rezar pela sociedade, à nobreza proteger a sociedade e, aos servos, trabalhar pela subsistência da sociedade. No entanto, havia alguma chance de mobilidade social através da religiosa: um camponês, por exemplo, poderia ser ordenado padre e alguns chegaram até mesmo a serem bispos.

Para concluir, a estratificação por classes é aquela que vigora em nossa sociedade. Nela, a divisão social por camadas deixa de estar tão associada às funções sociais exercidas para estar mais ligada ao poder econômico do indivíduo. Portanto, no regime de castas, mesmo que um xátria fosse mais rico que um brâmane, ele permaneceria sendo inferior socialmente, pois sua função social era vista como inferior. No regime de estamentos, do mesmo modo, ainda que um burguês fosse mais rico do que um nobre, ele teria menos status socialmente. No sistema de classes, por sua vez, o que importa é o componente financeiro: os mais ricos compõem a classe alta, os mais pobres a classe baixa, e os que estão entre ambos a classe média. Naturalmente, por isso mesmo, a estratificação por classes é aquela onde a mobilidade social é maior, pois depende fundamentalmente do dinheiro e não tanto das funções sociais exercidas.

 

classes-sociais_imagem_samuca

 

Exercícios

1. (FUNADEPI 2010) A expressão estratificação deriva de estrato, que quer dizer camada. Por estratificação social entendemos, exceto:

a) A distribuição de indivíduos em grupos e grupos em camadas hierarquicamente superpostas dentro de uma sociedade.
b) O processo de aquisição é assimilação dos valores, das normas, regras, leis, costumes e as tradições do grupo humano do qual fazemos parte.
c) Que essa distribuição dos indivíduos se dá pela posição social, a partir das atividades que eles exercem e dos papéis que desempenham na estrutura social.
d) Que em determinadas sociedades podemos dizer que as pessoas estão distribuídas pelas camadas alta (classe A), média (classe B) ou inferior (classe C), que correspondem a graus diferentes de poder, riqueza e prestígio.
e) Por exemplo, que na sociedade capitalista contemporânea, as posições sociais são determinadas basicamente pela situação dos indivíduos no desempenho de suas atividades produtivas

 

2. (UEL 2007) De acordo com Octavio Ianni: “Para melhor compreender o processo de estratificação social, enquanto processo estrutural, convém partirmos do princípio. Isto é, precisamos compreender que a maneira pela qual se estratifica uma sociedade depende da maneira pela qual os homens se reproduzem socialmente”. Fonte: IANNI, O. Estrutura e História. In IANNI, Octavio (org). Teorias da Estratificação Social: leitura de sociologia. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1978, p. 11.

Com base no texto e nos conhecimentos sobre estratificação social, considere as afirmativas a seguir:

I. Os estamentos são formas de estratificação baseadas em categorias socioculturais como tradição, linhagem, vassalagem, honra e cavalheirismo.

II. As classes sociais são formas de estratificação baseadas em renda, religião, raça e hereditariedade.

III. As mudanças sociais estruturais ocorrem quando há mudanças significativas na organização da produção e na divisão social do trabalho.

IV. As castas são formas de estratificação social baseadas na propriedade dos meios de produção e da força de trabalho.

A alternativa que contém todas as afirmativas corretas é:

a) I e II
b) I e III
c) II e III
d) I, II e IV
e) II, III e IV

 

3. (UEL 2004) Em 1840, o francês Aléxis de Tocqueville (1805-1859), autor de A democracia na América, impressionado com o que viu em viagem aos Estados Unidos, escreveu que nos EUA, “a qualquer momento, um serviçal pode se tornar um senhor”. Por sua vez, o escritor brasileiro Luiz Fernando Veríssimo, autor de O analista de Bagé, disse, em 1999, ao se referir à situação social no Brasil: “tem gente se agarrando a poste para não cair na escala social e sequestrando elevador para subir na vida”.

As citações anteriores se referem diretamente a qual fenômeno social?

a) Ao da estratificação, que diz respeito a uma forma de organização que se estrutura por meio da divisão da sociedade em estratos ou camadas sociais distintas, conforme algum tipo de critério estabelecido.
b) Ao de status social, que diz respeito a um conjunto de direitos e deveres que marcam e diferenciam a posição de uma pessoa em suas relações com as outras.
c) Ao dos papéis sociais, que se refere ao conjunto de comportamentos que os grupos e a sociedade em geral esperam que os indivíduos cumpram de acordo com o status que possuem.
d) Ao da mobilidade social, que se refere ao movimento, à mudança de lugar de indivíduos ou grupos num determinado sistema de estratificação.
e) Ao da massificação, que remete à homogeneização das condutas, das reações, desejos e necessidades dos indivíduos, sujeitando-os às idéias e objetos veiculados pelos sistemas midiáticos.

 

 

Gabarito:

1.B

2.B

3.D

 

Camila Paula

Camila Paula escreveu 2657 artigos

Deixe o seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *