Verbos: Semântica dos tempos e modos verbais

Aprenda sobre a semântica dos verbos e de seus tempos!

Depois de falarmos sobre os verbos, não poderíamos deixar de dar importância ao seu aspecto semântico. Em primeiro lugar, devemos reforçar que, quando falamos em semântica, nos referimos à significação. Por isso, quando dizemos que vamos estudar a semântica dos modos e tempos verbais, queremos dizer que estudaremos os significados que eles carregam.

Vamos ver como isso funciona na prática?

Modo Imperativo

É o modo que dá uma ordem, um conselho, uma dica, uma súplica, uma sugestão ou faz um pedido. Ele é formado a partir do presente do indicativo e não é subdividido em tempos.

Exemplos: Coma tudo! / Não faça isso! / Leia com atenção.

Devemos prestar atenção quando usar o imperativo na 1ª pessoa do plural (nós), pois podemos confundi-lo com o subjuntivo. Para que fique mais claro, devemos ter em mente que, ao contrário do subjuntivo, o imperativo não depende de uma subordinação.

Exemplo: Não desistamos de nossos ideais.

OBS: O modo imperativo é utilizado no texto injuntivo (receita, manual, etc.).

Modo subjuntivo

É o modo da incerteza, do desejo, da possibilidade. A semântica do subjuntivo nunca será de certeza, mas sempre de possibilidade, dúvida, irrealidade.

Exemplos: Espero que você venha. / Se ele viajasse, seria ótimo.

Ele ocorre somente em estruturas subordinadas. Isso quer dizer que ele vai aparecer em uma estrutura dependente de outro verbo – quero (verbo do qual o subjuntivo depende) que ele venha (subjuntivo) –, ou dependente de um nome – talvez (nome do qual o subjuntivo depende) ele venha (subjuntivo).

Tempos do subjuntivo

  • Presente: O verbo no presente do subjuntivo enuncia um fato que pode ocorrer no momento atual. Exemplo: É conveniente que estudes para o exame.
  • Pretérito Imperfeito: Expressa um fato passado, mas posterior a outro já ocorrido. Exemplo: Eu esperava que ele ganhasse a prova. OBS: O pretérito imperfeito também é utilizado para expressar condição e desejo. Exemplo: Se ele viesse ao clube, entraria na piscina.
  • Pretérito perfeito (composto): Expressa um fato totalmente terminado num momento passado. Exemplo: Embora tenha comido bastante, ficou com fome.
  • Pretérito mais que perfeito (composto): Expressa um fato ocorrido antes de outro fato já terminado. Exemplo: Embora a prova já tivesse começado, alguns alunos puderam entrar na sala.
  • Futuro do presente (simples): Enuncia um fato que pode ocorrer num momento futuro em relação ao atual. Exemplos: Quando ele vier aqui, levará os presentes. / Se ele vier aqui, levará os presentes.
  • Futuro do presente (composto): Enuncia um fato posterior ao momento atual, mas já terminado antes de outro fato futuro. Exemplo: Quando ele tiver saído do hospital, nós o visitaremos.

Modo indicativo

O modo indicativo é o mais versátil. Ele é o único em que o verbo afirma, que fala com certeza. Porém, isso não o impede de trabalhar também com a dúvida e com a possibilidade.

Exemplos: Eu sairei hoje. / Eu acho que tudo dará certo.

O modo indicativo não precisa ocorrer, necessariamente, em uma estrutura subordinada. Por exemplo: Eu não sei nada da matéria! (estrutura sem subordinação, não depende de nenhuma outra); Eu quero que tudo dê certo. O  está subordinado ao verbo quero, não poderia existir sem ele. Não existe a frase “tudo dê certo”, parece que falta algo, não é? Essa sensação de que falta algo é por causa da subordinação.

Tempos do indicativo

Presente: possui uma grande quantidade de possibilidades semânticas.

  1. Rotina: O presente do indicativo pode indicar um fato rotineiro, que costuma acontecer com frequência. Exemplo: Eu como todos os dias.
  2. Fato simultâneo ao momento da fala. Exemplo: Vagner Love chuta a bola para o gol.
  3. Passado: O verbo no presente do indicativo pode indicar um fato que já ocorreu. Em geral, o tipo textual narrativo usa muito o presente com a intenção de aproximar a história do leitor, fazer com que o leitor sinta que está assistindo à história, participando dela. Exemplo: Em 1808, a família real chega ao Brasil.
  4. Futuro: Pode indicar um fato que ainda vai ocorrer; este uso é muito comum na linguagem coloquial, no nosso falar cotidiano. Exemplo: Na próxima semana, eu vou à aula.
  5. Verdade absoluta: Exemplo: A Terra gira em torno do Sol.

Pretérito Perfeito: Pode indicar:

  1. Fato pontual no passado: Fato pontual no passado é um fato que aconteceu em um momento e terminou, não teve uma duração estendida, sendo, por isto, pontual. Exemplo: Ele correu rapidamente.
  2. Fato duradouro no passado: É aquele que teve uma duração, ou seja, ocorreu durante algum tempo, mesmo que pequeno. Exemplo: Falei no telefone por horas.

Pretérito Imperfeito: O verbo no Pretérito Imperfeito só pode indicar uma ação com aspecto durativo, uma ação que ocorreu por certo tempo. Por isso, chama-se imperfeito: a ação que ele indica não foi finalizada imediatamente, ou, então, trata-se de uma ação que costumava acontecer. Exemplo: Eu jogava basquete todos os dias.

Pretérito Mais Que Perfeito: A ação que o verbo no pretérito mais que perfeito indica ocorreu antes de outra, também no passado. Exemplo: O policial chegou ao local onde o acidente acontecera.

OBS: Atualmente, o pretérito mais que perfeito não é utilizado na fala e tem sido pouco utilizado, inclusive, na escrita. Na fala, tende a ser substituído por uma locução de particípio com verbo auxiliar ter ou haver no pretérito imperfeito. Exemplo: O policial chegou ao local onde o acidente tinha acontecido.

Futuro do Presente: Pode indicar:

  1. Futuro em relação ao momento em que se fala: Exemplo: Amanhã, irei ao trabalho.
  2. Dúvida: O futuro do presente pode indicar dúvida de quem fala em relação a um fato. Ocorre em frases interrogativas. Exemplo: Será ele a pessoa certa?
  3. Ordem: O futuro do presente pode indicar uma ordem, equivalendo semanticamente ao imperativo. Exemplo: Não roubarás.

Futuro do Pretérito: O futuro do pretérito não indica um fato futuro em relação ao momento da enunciação, mas um fato futuro em relação a um fato expresso por outro verbo. Exemplo: Eu sabia que ela iria à festa.

Reparem que o verbo no futuro do pretérito iria refere-se a um fato que aconteceu depois do fato expresso pelo verbo no pretérito imperfeito sabia. Ir, portanto, é futuro em relação a “saber”.

Pode indicar:

  1. Polidez: Exemplo: Você me emprestaria sua caneta?
  2. Dúvida: Exemplo: Seria eu ideal para o cargo?
  3. Afastamento do que está sendo dito: O enunciador não se responsabiliza pelo que está falando. Exemplo: Disseram que você seria o culpado.

Exercícios

1. Qual o valor do futuro do pretérito na seguinte frase: “Quando chegamos ao colégio em 1916, a cidade teria apenas uns cinquenta mil habitantes”?

a) fato futuro, anterior a outro fato futuro.

b) fato futuro, relacionado com o passado.

c) suposição, relativamente a um momento futuro.

d) suposição, relativamente a um momento passado.

e) configuração de um fato já passado.

CONFIRA A RESOLUÇÃO PASSO A PASSO CLICANDO AQUI.

2. (FATEC-SP) Assinale a alternativa em que a forma verbal grifada no período 2 não substitui corretamente a do período 1.

a) 1. Economistas afirmam que já foi descoberto o remédio para a inflação no Brasil. 2. Economistas afirmam já ter sido descoberto o remédio para a inflação no Brasil.

b) 1. Não souberam ou não me quiseram dizer para onde você tinha ido. 2. Não souberam ou não me quiseram dizer para onde você fora.

c) 1. Eram passados já muitos anos, desde o acidente. 2. Havia passado já muitos anos, desde o acidente.

d) 1. Honrarás a teu pai e a tua mãe. 2. Honra a teu pai e a tua mãe.

e) 1. Ao chegar à sua casa, o seu amigo já terá partido. 2. Ao chegar à sua casa, o seu amigo já partirá.

CONFIRA A RESOLUÇÃO PASSO A PASSO CLICANDO AQUI.

3. Enumere as sentenças abaixo de acordo com a flexão em modo dos verbos sublinhados.

Assim, (1) Para verbos flexionados no Indicativo; (2) Para os que estiverem flexionados no Subjuntivo e

(3) Para os que estiverem flexionados no Imperativo.

a) (  ) Vá ao colégio!

b) (  ) Espero que ele vá ao colégio.

c) (  ) Eu fui ao colégio.

d) (  ) Eles estariam felizes.

e) (   ) Se eu vendesse meu carro, teria mais dinheiro.

f) (   ) Não matarás!

CONFIRA A RESOLUÇÃO PASSO A PASSO CLICANDO AQUI.

4. Dê o tempo, modo, a pessoa que se refere e o valor semântico dos verbos sublinhados nos trechos abaixo:

a) Se viesse à praia, saberíamos se sabe nadar.

b) Não haveria tempo de essa história desdobrar-se em capítulos que suspeitamos já saber o final.

c) Você me faria um favor?

CONFIRA A RESOLUÇÃO PASSO A PASSO CLICANDO AQUI.

Gabarito

1. D

2. E

3. a) (3) / b) (2) / c) (1) / d) (1) / e) (2) / f) (3)

4.

a) Viesse: Pretérito imperfeito do subjuntivo; verbo na terceira pessoa do singular; valor semântico de condição./Saberíamos: Futuro do pretérito; primeira pessoa do plural; fato dependente de uma condição.

b) Suspeitamos: Presente do indicativo; verbo na primeira pessoa do plural; fato que ocorre no momento da fala.

c) Faria: Futuro do pretérito; verbo na terceira pessoal do singular; valor semântico de polidez.

Continue estudando
Post do blog

Exercícios Resolvidos: Pronomes Demonstrativos e Indefinidos

Recentemente, falamos sobre as classes gramaticais e ensinamos o que são os pronomes. Eles são os responsáveis por acompanhar, substituir ou fazer referência ao nome. Ou seja, são palavras variáveis em gênero (masculino/feminino) e número (singular/plural).
artigo
Post do blog

Exercícios Resolvidos: Pronomes

Leia o resumo “Classes Gramaticais: Pronomes” e resolva os exercícios abaixo.
artigo