Saiba tudo sobre Conceitos Básicos de Sintaxe!

A sintaxe é a parte da gramática que se ocupa das relações entre as palavras na oração e das orações no período.

Veja como o dicionário Aurélio define:

Sintaxe: [Do gr. Syntaxis, ‘ordem, disposição’, pelo lat. Syntaxe.] S.f. 1. Parte da gramática que estuda a disposição das palavras na frase e das frases no discurso, bem como a relação lógica das frases entre si e a correta construção gramatical.

A análise sintática

Analisar significa ‘decompor um todo em seus elementos constituintes’. A análise sintática consiste na decomposição do discurso e no estudo das relações existentes entre os elementos que o compõem. A análise sintática tem como objeto de estudo os enunciados linguísticos.

Antes de iniciar a análise sintática dos enunciados, é preciso ter bem claros os conceitos de frase, oração e período.

Frase, oração, período

Damos o nome de frase a todo enunciado de sentido completo e capaz de estabelecer comunicação.

– Fogo!

– Silêncio!

– Muito obrigado, minha senhora.

“A vida é a arte do encontro.” (Vinícius de Moraes)

“Você foi castigo que Deus me deu.” (Baden Powell e Paulo César Pinheiro)

Observe que as frases podem ser formadas tanto por uma única palavra quanto por várias, não sendo sequer obrigatória a presença do verbo. Desde que o enunciado tenha sentido completo, ele será uma frase.

As frases são sempre marcadas pela entoação. Na escrita, a entoação é representada pelos sinais de pontuação. A palavra fogo, quando emitida sem nenhuma expressividade, evidentemente não constituirá uma frase – será apenas um vocábulo.

Oração é o enunciado organizado em torno de um verbo.

“O importante é que a nossa emoção sobreviva.”

O enunciado acima apresenta duas orações:

“O importante é / que a nossa emoção sobreviva.”

O elemento básico da oração é um verbo (ou uma locução verbal). Não existe oração sem verbo, mas perceba que a oração não precisa ter sentido completo:

“O importante é…”

O enunciado acima é uma oração (porque possui verbo) mesmo não tendo sentido completo.

Período é a frase constituída por uma ou mais orações. O período pode ser:

  • Simples – quando constituído por uma única oração.

“Madonna encena fantasias para o mundo.”

  • Composto – quando constituído por mais de uma oração.

“Um homem subiu na mesa do bar e fez discursos para vereador.”

Os termos essenciais da oração: sujeito e predicado

Dissemos que o elemento básico da oração é o verbo. Mas é importante você saber que a Nomenclatura Gramatical Brasileira considera o sujeito e o predicado como os termos essenciais da oração.

Segundo essa classificação, não existe oração sem sujeito e predicado. Mas observe a frase abaixo:

“Choveu muito.”

Essa frase é uma oração que não possui sujeito!

Então podemos dizer que a nomenclatura é válida para a maioria das orações de nossa língua, mas não a todas, e que o termo que realmente define a oração é o verbo.

Pois bem: nas orações em que o sujeito está presente, você pode perceber que o sujeito e o predicado (os chamados termos essenciais) estão intimamente relacionados.

“Um homem subiu na mesa do bar.”

“Um homem” – elemento a respeito do qual se informa algo;

“subiu na mesa do bar” – a informação propriamente dita.

Na maioria das orações há dois elementos que se articulam: a informação, denominada predicado, e o elemento a respeito do qual se dá a informação, denominado sujeito.

Veja mais exemplos:

“Gasolina aumenta segunda-feira.”

Sujeito: Gasolina

Predicado: aumenta segunda-feira.

“As meninas do Leblon não olham mais pra mim.”

Sujeito: As meninas do Leblon

Predicado: não olham mais pra mim.

A partir dos exemplos acima, você pode constatar que:

  • O sujeito sempre concorda com o verbo: sujeito singular, verbo no singular; sujeito no plural, verbo no plural.
  • O sujeito pode ser formado por uma única palavra (gasolina), ou por várias palavras (as meninas do Leblon).

Caso o sujeito seja constituído por mais de uma palavra, aquela que tiver maior importância dentro da mensagem da oração (sempre um substantivo) será o núcleo do sujeito.

Os computadores japoneses invadem o mercado brasileiro.

O sujeito da oração acima é Os computadores japoneses. Mas qual a palavra em que se concentra a informação? É computadores – as demais palavras do sujeito servem para caracterizar o termo principal.

É também o núcleo do sujeito que estabelece a concordância com o verbo.

Tipos de sujeito

O sujeito pode ser:

  • Simples – quando possui um único núcleo.

“Muitos jogadores brasileiros atuam na Europa.”

  • Composto – quando possui mais de um núcleo.

Jogadores e torcedores reclamaram da arbitragem.”

  • Desinencial – quando não vem expresso na oração, mas pode ser facilmente identificado pela desinência do verbo.

(eu) × “Quero ficar no teu corpo feito tatuagem.”

  • Indeterminado – quando não se quer (ou não se pode) identificar o sujeito:

(?) × “Vive-se bem melhor no interior.”

(?) × “Não revelaram o nome do vencedor.”

Em português, ocorre sujeito indeterminado se:

– o verbo estiver na terceira pessoa do plural sem referência a sujeito expresso na oração ou no contexto:

(?) × Telefonaram por engano para minha casa.

– o verbo estiver na terceira pessoa do singular acompanhado por se, o índice de indeterminação do sujeito.

(?) × Acredita-se na existência de políticos honestos.

  • Inexistente (oração sem sujeito) – quando a informação contida no predicado não se refere a sujeito algum. Ocorre sujeito inexistente quando temos um verbo impessoal.

São verbos impessoais:

– fazer, ser, estar (quando indicam tempo cronológico ou clima.)

Ø × Faz dez meses que ele não aparece.

Ø × Já é uma hora da tarde.

Ø × Está quente em Teresina.

– verbos que indicam fenômenos meteorológicos (chover, amanhecer, nevar etc.)

Ø × Anoitece vagarosamente.

Ø × Chove muito em Ubatuba.

– verbo haver empregado em referência a tempo transcorrido ou no sentido de “existir”.

Ø × vários dias que ele não aparece.

Ø × Havia muitos torcedores no estádio.

– verbo ser em indicações de distância ou data.

Ø × Da minha casa até o centro são quinze quilômetros.

Observação importante: O verbo existir não é impessoal: ele  terá sujeito presente na oração, com o qual deverá concordar.

“Existem muitos torcedores fanáticos.”

Núcleo do sujeito: torcedores.

Tipos de predicado

Como vimos, o predicado é tudo aquilo que se informa a respeito do sujeito; nele haverá obrigatoriamente a presença de um verbo.

Assim como o sujeito, o predicado também apresenta um núcleo, uma palavra em que se concentra a informação.

O núcleo do predicado pode ser um verbo significativo (que enuncia um fato, um processo), um nome (o predicativo, cuja função é informar alguma coisa a respeito do sujeito ou do complemento do verbo) ou ambos – verbo significativo e nome.

Com base nisso, podemos distinguir três tipos de predicados:

  • Predicado verbal – aquele cujo núcleo da informação é um verbo de caráter significativo.

“Eles saíram de casa.”

“O juiz julgou o réu.”

  • Predicado nominal – aquele cujo núcleo da informação é um nome, o predicativo. Nesse caso, o verbo não exprime um processo, funcionando tão somente como elo de ligação entre o sujeito e o predicativo, e por isso é chamado verbo de ligação.

“Eles estavam apressados.”

“O réu era culpado.”

  • Predicado verbo-nominal – aquele que possui dois núcleos de informação. Um, o verbo de caráter significativo; outro, um nome (predicativo).

“Eles saíram de casa apressados.”

“O juiz julgou o réu culpado.”

Exercícios

1 – Nas orações: “Fiquei em casa” e “Necessita-se de ajuda” temos, respectivamente, sujeito:

a) Indeterminado e indeterminado.

b) Simples e simples.

c) Desinencial e indeterminado.

d) Simples e inexistente.

e) Indeterminado e inexistente.

2 – Em “Construiu-se a ponte”, o sujeito é:

a) Indeterminado.

b) Simples (se).

c) Inexistente.

d) Composto.

e) Simples (a ponte).

3 – Marque a única opção que não possui sujeito.

a) Os tomates caíram sobre ele.

b) Queixou-se da prova.

c) Havia saído o aluno.

d) Não existe essa possibilidade.

e) Neva muito na Europa.

Gabarito

1 – C)

Comentário: Em “Fiquei em casa”, percebe-se pela desinência número pessoal que refere-se ao pronome “Eu”, logo, o sujeito é desinencial; em “Necessita-se de ajuda”, não há a menção de quem necessita. Cabe lembrar que só ocorre sujeito paciente quando o verbo for transitivo direto, como em “Compram-se casas” = “Casas são compradas”.

2 – A)

Comentário: Apesar de termos o verbo transitivo direto “construir”, se invertermos a ordem da oração teremos “A ponte foi construída”, sendo “a ponte” agente da passiva. Quem praticou a ação, não se sabe. Logo, temos sujeito indeterminado.

3 – E)

Comentário: Em a temos “os tomates” como sujeito; em b temos o sujeito desinencial (Ele) queixou-se da prova; em c temos uma oração na ordem inversa “O aluno havia saído”, logo, o sujeito é “aluno”; ocorre o mesmo da opção anterior em d  “Esta possibilidade não existe”, o sujeito é “Esta possibilidade”. A única opção onde não consta sujeito é a opção e, pois indica fenômeno da natureza.

Continue estudando
Post do blog

Transitividade Verbal — 5 Dicas Para Você Nunca Mais Esquecer

Já ouviu falar sobre transitividade verbal? Esse termo refere-se à relação de um verbo transitivo com um complemento. Ou seja, ele indica que há a necessidade de um complemento para que exista sentido na oração. Acompanhe a seguir e entenda melhor este conceito.
artigo
Post do blog

Mapa Mental: Conceitos Básicos de Sintaxe

Sintaxe não precisa ser difícil! Aprenda tudo com este mapa mental que vai salvar sua prova de português da escola e do vestibular!
artigo