Redação Sobre Diversidade de Gênero: A Igualdade de Gêneros em Discussão no Século XXI

A colaboradora do blog da Descomplica, Daniele Libório, preparou um modelo de redação sobre diversidade de gênero para que você conheça como anda a discussão sobre igualdade de gêneros no século XXI e esteja preparado caso esse seja o tema de redação do ENEM ou outro vestibular para o qual está se preparando.

Se você quer alcançar a nota 1000 na sua dissertação, veja agora a redação sobre diversidade de gênero que é um modelo a ser seguido em concordância, estrutura e desenvolvimento do assunto.

Redação sobre diversidade de gênero — Um por todos e todos por um

          “A história da humanidade é a história da luta…” entre os gêneros. Adaptando a famosa frase de Karl Marx, chegamos a um dos maiores obstáculos para a construção de uma sociedade justa e igualitária: a desigualdade entre homens e mulheres. A diferença salarial, o estigma de sexo frágil, a expectativa social a qual são submetidas e o machismo do cotidiano são problemas enfrentados por milhares de mulheres ao redor do mundo. Destacando ainda que a população feminina não é a única prejudicada: a comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) também sofre com a estereotipação causada pela desigualdade. Esse cenário impossibilita que o famoso trecho do artigo 5º da Constituição seja uma situação real, portanto, precisa ser analisado.

          Primeiramente, é válido ressaltar que, historicamente, a mulher vem sendo subjugada pela cultura patriarcal. Isso porque, desde as primeiras civilizações, a maioria das sociedades fez do homem seu pilar de sustentação. Em pleno século XX, essa característica foi reforçada pelo “American way of life”, que vendia a imagem da mulher perfeita como a dona de casa, mãe zelosa e esposa dedicada. Sendo assim, não é de se estranhar que, mesmo após os avanços do pós-guerra, mulheres continuem sendo alvos da desigualdade, cujo reflexo, no caso brasileiro pode ser percebido na diferença salarial – segundo dados do IBGE, ainda era de 30% no ano de 2014.

Contudo, não é correto pensar que não há oposição para essa característica que é inerente à sociedade contemporânea. Ainda no século XVIII, a francesa Olympe de Gouges deu voz à luta pela igualdade, sendo mais tarde colocada de volta em pauta por Simone de Beauvoir, com seu famoso livro “O segundo sexo”, na segunda metade do século XX, e refletida nos grupos homossexuais mundo afora. Os movimentos pela igualdade de gênero vêm ganhando cada vez mais força e apoio não só de mulheres, mas de homens também.  Prova disso são os discursos de Patricia Arquette, no Oscar 2015, e de Emma Watson, no lançamento da campanha “Her For She” (Ele Por Ela) na ONU em 2014, incitando a luta pela causa e incentivando a participação da sociedade como um todo.

É fundamental destacar ainda que a questão do gênero não se limita à problemática “homem x mulher”. Ela está associada também à ideia de identidade e à possibilidade de todo ser humano de desenvolver capacidades pessoais e fazer escolhas sem ser limitado por estereótipos da sociedade. Sendo assim, a comunidade LGBT também se mostra ativa na luta pela igualdade entre os gêneros e na efetivação de seus direitos civis. A recente conquista de transgêneros do uso do nome social em suas matriculas em algumas universidades brasileiras e a disponibilização no Facebook de novas definições de gêneros para seus usuários mostram a força desses movimentos.

Dessa forma, portanto, podemos ver que, como Simone de Beauvoir acreditava, apenas com a cooperação entre homens e mulheres, no sentido biológico dos termos, pode-se redefinir os papéis dos gêneros. Como grande formadora de opiniões, é papel da mídia difundir o movimento e atuar em parceria com ONGs em campanhas pela igualdade. Além disso, cabe à escola, com o auxílio da família, combater o sexismo ainda em seu começo, estimulando o respeito mútuo entre as crianças. Por fim, é papel do Estado, por meio de incentivos à indústria e parceria com os meios de comunicação, reforçar que “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações” na forma da nossa Constituição.

Quer produzir uma redação sobre diversidade de gênero como essa? Então, produza a sua, compare e aprimore ainda mais a sua escrita. Veja outros modelos aqui no blog e esteja preparado!

Continue estudando
Post do blog

Modelo de Redação: A violência escolar no Brasil

Modelo de Redação: A violência escolar no Brasil
artigo
Post do blog

Modelo de Redação: O suicídio entre os jovens brasileiros – Como enfrentar esse problema?

Modelo de Redação: O suicídio entre os jovens brasileiros – Como enfrentar esse problema?
artigo