Questões Comentadas: Figuras de Linguagem

Leia o resumo O que são Figuras de Linguagem? e resolva os exercícios abaixo.

1. (ENEM-2007)

O açúcar

O branco açúcar que adoçará meu café
nesta manhã de Ipanema
não foi produzido por mim
nem surgiu dentro do açucareiro por milagre.
Vejo-o puro
e afável ao paladar
como beijo de moça, água
na pele, flor
que se dissolve na boca. Mas este açúcar
não foi feito por mim.
Este açúcar veio
da mercearia da esquina e tampouco o fez o Oliveira,
[dono da mercearia.
Este açúcar veio
de uma usina de açúcar em Pernambuco
ou no Estado do Rio
e tampouco o fez o dono da usina.
Este açúcar era cana
e veio dos canaviais extensos
que não nascem por acaso
no regaço do vale.
(…)
Em usinas escuras,
homens de vida amarga
e dura
produziram este açúcar
branco e puro
com que adoço meu café esta manhã em Ipanema.

Ferreira Gullar. Toda Poesia. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 1980, p. 227-8.

A antítese que configura uma imagem da divisão social do trabalho na sociedade brasileira é expressa poeticamente na oposição entre a doçura do branco açúcar e

a) o trabalho do dono da mercearia de onde veio o açúcar.
b) o beijo de moça, a água na pele e a flor que se dissolve na boca.
c) o trabalho do dono do engenho em Pernambuco, onde se produz o açúcar.
d) a beleza dos extensos canaviais que nascem no regaço do vale.
e) o trabalho dos homens de vida amarga em usinas escuras.

2. (Enem Cancelado-2009)

Metáfora

Gilberto Gil

Uma lata existe para conter algo,
Mas quando o poeta diz: “Lata”
Pode estar querendo dizer o incontível

Uma meta existe para ser um alvo,
Mas quando o poeta diz: “Meta”
Pode estar querendo dizer o inatingível

Por isso não se meta a exigir do poeta
Que determine o conteúdo em sua lata

Na lata do poetatudonada cabe,
Pois ao poeta cabe fazer

Com que na lata venha caber
O incabível

Deixe a meta do poeta não discuta,
Deixe a sua meta fora da disputa Meta
dentro e fora, lata absoluta
Deixe-a simplesmente metáfora.

Disponível em: http://www.letras.terra.com.br. Acesso em: 5 fev. 2009.

A metáfora é a figura de linguagem identificada pela comparação subjetiva, pela semelhança ou analogia entre elementos. O texto de Gilberto Gil brinca com a linguagem remetendo-nos a essa conhecida figura. O trecho em que se identifica a metáfora é:

a) “Uma lata existe para conter algo”.
b) “Mas quando o poeta diz: ‘Lata'”.
c) “Uma meta existe para ser um alvo”.
d) “Por isso não se meta a exigir do poeta”.
e) “Que determine o conteúdo em sua lata”

3. (ENEM-2001) Oxímoro (ou paradoxo) é uma construção textual que agrupa significados que se excluem mutuamente. Para Garfield, a frase de saudação de Jon (tirinha abaixo) expressa o maior de todos os oxímoros.

Folha de S. Paulo. 31 de julho de 2000.

Nas alternativas abaixo, estão transcritos versos retirados do poema “O operário em construção”. Pode-se afirmar que ocorre um oxímoro em:

a) “Era ele que erguia casas
Onde antes só havia chão.”

b) “… a casa que ele fazia
Sendo a sua liberdade
Era a sua escravidão.”

c) “Naquela casa vazia
Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava.”

d) “… o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.”

e) “Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.”

MORAES, Vinícius de. Antologia Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

GABARITO

1. E

Resolvendo passo-a-passo a questão:

Como vimos, a antítese trata da aproximação de palavras com sentidos opostos.  Observe que a alternativa (E) traz o adjetivo “amarga”, opondo-se à doçura do açúcar. Já na expressão “usinas escuras”, temos uma oposição à brancura do açúcar. Logo, é a única alternativa que apresenta, de fato, uma oposição clara entre as palavras. Observe que nenhuma outra alternativa traz palavras que se opõem ao que foi pedido no enunciado, pois falam de situações que se completam

2. E

Resolvendo passo-a-passo a questão:

Observe que a letra (E) é a única alternativa em que a palavra “lata” não está no seu sentido literal. O fato de o poeta não “determinar o conteúdo de sua lata” é justamente uma metáfora para as palavras que poderão ser usadas em um poema e trabalhadas de maneira imprevisível. Você pode ficar na dúvida com as letras C e D, mas observe que na letra (C) temos uma linguagem denotativa, pois alvo e meta podem ser considerados sinônimos e na letra (D) temos a expressão coloquial “não se meta”, como sinônimo de “não se atreva”. Portanto, em ambos os casos, temos uma linguagem denotativa. A metáfora está justamente na letra E.

3. B

Resolvendo passo-a-passo a questão:

Nesta questão, você precisa estabelecer uma relação entre a linguagem do quadrinho e a do texto poético. Observe que John diz “Feliz segunda-feira” e  Grafield responde dizendo que essa frase é a mãe de todos os oximoros. Como sabemos, oximoros são paradoxos, portanto, para Garfield, feliz e segunda-feira são ideias opostas, paradoxais, como se fosse impossível existir uma segunda-feira feliz.  Observe que a Letra B traz duas ideias, aparentemente opostas, mas com total sentido dentro do contexto. A casa era ao mesmo tempo liberdade e escravidão, temos aqui duas ideias que  não teriam lógica ao serem associadas em outro contexto, mas que ,no poema, tornam-se expressivas. Você pode ficar na dúvida com a letra D. Entretanto, observe que o há é uma inversão e não um paradoxo.

Continue estudando
Post do blog

Mapas Mentais: Figuras de Linguagem

Que tal estudar as Figuras de Linguagem por meio de uma série de mapas mentais? Dê uma olhada nesses mapas a seguir e entenda tudo sobre o assunto:
artigo
Post do blog

Português: Figuras de Linguagem

Aprenda tudo sobre Figuras de Linguagem na aula de hoje junto com o professor Eduardo Valladares e prepare-se cada vez mais para o ENEM! 🙂
artigo