Questões Comentadas: 2ª e 3ª gerações do Romantismo

Leia o resumo O que caracteriza a poesia da 2ª e 3ª geração do Romantismo? e resolva os exercícios abaixo.

1. (UNIP) Assinale a característica não-aplicável à poesia romântica:
a) artista goza de liberdade na metrificação e na distribuição rítmica.
b) importante é o culto da forma, a arte pela arte.
c) a poesia é primordialmente pessoal, intimista e amorosa.
d) enfatiza-se a auto-expressão, o subjetivismo, o individualismo.
e) a linguagem do poeta é a mesma do povo: simples, espontânea.

2. (UFV) Assinale a alternativa falsa:

a) Romantismo, como estilo, não é modelado pela individualidade do autor; a forma predomina sempre sobre o conteúdo.
b) Romantismo é um movimento de expressão universal, inspirado nos modelos medievais e unificado pela prevalência de características comuns a todos os escritores da época.
c) Romantismo, como estilo de época, consistiu basicamente num fenômeno estético-literário desenvolvido em oposição ao intelectualismo e à tradição racionalista e clássica do século XVIII.
d) Romantismo, ou melhor, o espírito romântico, pode ser sintetizado numa única qualidade: a imaginação. Pode-se creditar à imaginação a capacidade extraordinária dos românticos de criarem mundos imaginários.
e) Romantismo caracterizou-se por um complexo de características, como o subjetivismo, o ilogismo, o senso de mistério, o exagero, o culto da natureza e o escapismo.

3. (CESGRANRIO) O próprio Romantismo produziu uma literatura em desacordo com certas tônicas do movimento. Através da ironia, autores românticos revelam irreverência muitas vezes feroz.

Assinale a opção em que o autor se mantém dentro dos preceitos mais conhecidos da escola romântica, tais como a glorificação do ideal e do sublime e o desapego ao mundo material:
a) “Dos prazeres do amor as primícias,/ De meu pai entre os braços gozei;/ E de amor as extremas delícias/ Deu-me um filho, que dele gerei.” (Bernardo Guimarães)
b) “Como dormia! Que profundo sono!…/ tinha na mão o ferro do engomado…/ Como roncava maviosa e pura!…/ Quase caí na rua desmaiado!” (Álvares de Azevedo)
c) “(Damas da nobreza) – Não precisa aprendê/ Quem tem pretos p’herdá/ e escravidão p’escrevê;/ Basta tê/ Burra d’ouro e casá.” (Sousândrade)
d) “Porque Deus pôs em meu peito/ Um tesouro de harmonia:/ Deu-me a sina de seus anjos,/ Deu-me o dom da poesia.’ (Junqueira Freire)
e) “Nem há de negá-lo – não há doce lira/ Nem sangue de poeta ou alma virgem/ Que valha o talismã que no oiro vibra!” (Álvares de Azevedo)

4. (U.FORTALEZA)
“Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto, o poento caminheiro
– Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfaz ao dobre de um sineiro.”

Os versos acima exemplificam:
a) a utilização de metáforas grandiosas para expressar a indignação com as injustiças sociais que caracteriza a obra de Castro Alves.
b) a temática a procura da morte como solução para os problemas da existência em que se encontra em Álvares de Azevedo.
c) tratamento ao mesmo tempo irônico e lírico a que Carlos Drummond de Andrade submete o cotidiano.
d) a presença da natureza como cenário para o encontro do pastor com sua amada, como ocorre em Tomás Antônio Gonzaga.
e) a exploração de ecos, assonâncias, aliterações em busca de uma sonoridade válida por si mesma, como se vê na obra de Cruz e Sousa.

5. (PUC-SP) Sombras do vale, noites da montanha
Que minh’alma cantou e amava tanto,
Protegei o meu corpo abandonado,
E no silêncio derramai-lhe canto!

Mas quando preludia ave d’aurora
E quando à meia-noite o céu repousa,
Arvoredos do bosque, abri os ramos…
Deixai a lua prantear-me a lousa!

O que dominantemente aflora nos versos acima e caracteriza o poeta Álvares de Azevedo como ultrarromântico é:
a) a devoção pela noite e por ambientes lúgubres e sombrios.
b) o sentimento de autodestruição e a valorização da natureza tropical.
c) o acentuado pessimismo e a valorização da religiosidade mística.
d) o sentimento byroniano de tom elegíaco e humorístico-satânico.
e) o sonho adolescente e a supervalorização da vida.

6. (ENEM) O trecho a seguir é parte do poema “Mocidade e morte”, do poeta romântico Castro Alves:
Oh! eu quero viver, beber perfumes
Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh’alma adejar pelo infinito,
Qual branca vela n’amplidão dos mares.
No seio da mulher há tanto aroma…
Nos seus beijos de fogo há tanta vida…
– Árabe errante, vou dormir à tarde
À sombra fresca da palmeira erguida.
Mas uma voz responde-me sombria:
Terás o sono sob a lájea fria.
(ALVES, Castro. Os melhores poemas de Castro Alves. Seleção de Lêdo Ivo. São Paulo: Global, 1983.)

Esse poema, como o próprio título sugere, aborda o inconformismo do poeta com a antevisão da morte prematura, ainda na juventude. A imagem da morte aparece na palavra
a) embalsama.
b) infinito.
c) amplidão.
d) dormir.
e) sono.

7. (FUVEST) Tomadas em conjunto, as obras de Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo e Castro Alves demonstram que, no Brasil, a poesia romântica:
a) pouco deveu às literaturas estrangeiras, consolidando de forma homogênea a inclinação sentimental e o anseio nacionalista dos escritores da época.
b) repercutiu, com efeitos locais, diferentes valores e tonalidades da literatura européia: a dignidade do homem natural, a exacerbação das paixões e a crença em lutas libertárias.
c) constituiu um painel de estilos diversificados, cada um dos poetas criando livremente sua linguagem, mas preocupados todos com a afirmação dos ideais abolicionistas e republicanos.
d) refletiu as tendências ao intimismo e à morbidez de alguns poetas europeus, evitando ocupar-se com temas sociais e históricos, tidos como prosaicos.
e) cultuou sobretudo o satanismo, inspirado no poeta inglês Byron, e a memória nostálgica das civilizações da Antiguidade clássica, representadas por suas ruínas.


8. (UEL-PR) Considere as seguintes afirmações sobre poetas do nosso Romantismo:
I. O caráter intimista da poesia de Álvares de Azevedo não impediu que ele se manifestasse também na forma da sátira.
II. O tom declamatório da poesia abolicionista de Castro Alves está intimamente ligado à sua função: conclamar o público a assumir uma posição combativa.
III. Há, na poesia de Gonçalves Dias, interesse em exaltar a natureza tropical e o nobre caráter dos nossos índios.

É correto o que está afirmado:
a) somente em II.
b) somente em I e II.
c) somente em I e III.
d) somente em II e III.
e) em I, II e III.

9. (UM-SP)
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura… se é verdade
Tanto horror perante os céus…
Ó mar! por que não apagas
Co’a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?…
Astros! noite! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!…
(Castro Alves)

Aponte a alternativa incorreta sobre o texto.
a) Os versos 3 e 4 constituem o objeto direto do verbo dizer e, pela antítese, expressam o desespero do poeta.
b) O vocativo do verso 1 é retomado em toda a estrofe, por meio de outros vocativos, no mesmo tom de protesto grandiloquente.
c) Ao lado de Deus, na sequência dos vocativos, estão as forças grandiosas da natureza, como o mar, os astros, a noite, as tempestades e, num desespero crescente do poeta, o tufão.
d) Este borrão, objeto direto do verbo apagar, constitui uma metáfora de algo vergonhoso que recupera e aprofunda o horror do verso 4.
e) No apelo desesperado do poeta, as grandiosas forças da natureza não são personificadas, mas, sim, coisificadas nos vocativos que as representam.

10. Oh! eu quero viver, beber perfumes
Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh’alma adejar pelo infinito,
Qual branca vela n’amplidão dos mares.
No seio da mulher há tanto aroma…
Nos seus beijos de fogo há tanta vida…
– Árabe errante, vou dormir à tarde
À sombra fresca da palmeira erguida.

Nesta estrofe de “Mocidade e Morte”, de Castro Alves, reúnem-se, como numa espécie de súmula, vários dos temas e aspectos mais característicos de sua poesia. São eles:
a) identificação com a natureza, condoreirismo, erotismo franco, exotismo.
b) aspiração de amor e morte, titanismo, sensualismo, exotismo.
c) sensualismo, aspiração de absoluto, nacionalismo, orientalismo.
d) personificação da natureza, hipérboles, sensualismo velado, exotismo.
e) aspiração de amor e morte, condoreirismo, hipérboles, orientalismo.

GABARITO

1. B

Comentário: A escola romântica introduz um novo modelo formal, proporcionando maior liberdade na estrutura de seus versos. Além disso, carrega uma linguagem mais simples, como também, uma alta expressividade sentimentalista por parte do eu lírico. A unica alternativa que não condiz à essa realidade é a letra B, o culto à forma e a chamada “arte pela arte” são características da escola Parnasiana, movimento que rompeu com as inovações de escolas anteriores, principalmente no campo estético.

2. A

Comentário: Uma das principais características da 2ª geração Romântica é a individualidade, o egocentrismo propagado pelo eu lírico para expressar seu sentimentos na poesia. Além disso, pode-se observar um carga predominante nas poesias sobre a função emotiva da linguagem, que se sobrepõe à estrutura romântica da época.

3. D

Comentário: As alternativas A, B, C e E carregam algumas características como a ironia e a valorização de bens materiais. A alternativa D é a única que se distancia dessa vertente, pois o eu lírico afirma que a verdadeira riqueza de sua vida é ter se tornado poeta, com isso, percebe-se um afastamento sobre os interesses de valores materiais.

4. B

Comentário: A lírica de Álvares de Azevedo também é marcada pelo sentimento de pessimismo. O homem que vivia em meados do século XIX estava insatisfeito com o mundo em que vivia e, não se sentia incluído aos acontecimentos que o rodeavam, por isso, a 2ª geração também é denominada de “mal do século”. O eu lírico, muito vezes, fazia uma aproximação com a morte, acreditando ser a única forma possível para livrar-se de suas dores e insatisfações.

5. A

Comentário: É muito comum observar na lírica de Álvares de Azevedo sua aproximação com a morte, seu sentimento pessimista mediante as coisas do mundo e, também, a presença da devoção pelo ambiente noturno, fazendo parte da composição do cenário. Com isso, é importante analisar o verso “Deixai a lua prantear-me a lousa!”, em que o eu lírico faz referência à luz do luar iluminando sua lápide.

6. E

Comentário: No último verso do poema: “Terás o sono sobre a lájea fria”, o autor utiliza a palavra sono para relacioná-la a outro sentido, o da morte. A expressão “lájea fria” significa túmulo, dando a entender que o eu lírico descansá o sono eterno da morte em seu caixão.

7. B

Comentário: As gerações do Romantismo abordam diferentes temáticas, de acordo com a época em que foram situadas. Na Primeira Geração, cria-se um sentimento nacionalista e uma idealização indígena; já na Segunda Geração, percebe-se uma alta exposição de sentimentos do eu lírico. Diferente dessas citadas, a Terceira Geração carrega um apelo mais social e a apresentação de uma visão crítica sobre a realidade.

8. E

Comentário: Todas as alternativas condizem com características relativas às gerações da poesia romântica.

9. E

Comentário: Nos versos de Castro Alves, percebemos a presença das apóstrofes “Ó mar!”, “astros!”, “tufão!”, “noite!”, “tempestades!”. As apóstrofes são figuras de linguagem que cumprem a função de um vocativo, a partir de elemento personificados. Com isso, o eu lírico evoca a elementos da natureza para enfatizar seu desespero.

10.  A

Comentário: A lírica de Castro Alves envolve várias vertentes, como por exemplo, o engajamento social sobre os seus anseios democráticos; a aproximação com a natureza; o sentimentalismo romântico unido ao sensualismo da mulher, como também, a erotização do elemento feminino. Alguns aspectos presentes em outras alternativas, como o titanismo, o orientalismo e a aspiração de absoluto não se encaixam na escola romântica.

Continue estudando
Post do blog

Questões Comentadas: Romantismo

Link do módulo: http://descomplica.com.br/portugues/romantismo-no-brasil-primeira-geracao/contextualizacao-geral
artigo
Post do blog

Questões Comentadas: Prosa do Romantismo

Leia o resumo Como é caracterizada a prosa do Romantismo? e resolva os exercícios abaixo.
artigo