Juros compostos: um resumo para não restar nenhuma dúvida!

O que são os juros compostos?

O uso da matemática financeira faz parte da vida humana desde que o homem percebeu a existência da relação entre o dinheiro e o tempo. Nos juros simples, nós vimos que temos um valor sempre constante em cima do capital inicial a cada determinado intervalo de tempo.

Os juros compostos diferem dos juros simples, pois são calculados sobre o montante obtido no período anterior. Somente no primeiro período é que os juros são calculados sobre o capital inicial, ou seja, os juros compostos são um regime de juros sobre juros. Assim, o crescimento é muito mais rápido do que no regime de juros simples.

Como funciona o regime de juros sobre juros?

No regime de juros compostos, como dito acima, calculamos juros em cima de juros. Ou seja: a cada intervalo de tempo, são calculados novos juros, que são somados ao capital inicial e, em cima desse novo valor, calculamos novamente novos juros. Por exemplo:

Um capital de R$ 5000,00, aplicado a uma taxa de juros compostos de 10% a.m (ao mês) por um período de três meses renderá quanto de juros?

Assim como nos juros simples, após o primeiro mês, temos que os juros serão de:

10% de 5.000 = 500. Assim, teríamos um montante de M = 5.000 + 500 = 5.500

Porém, nos juros simples, essa taxa de juros continuaria sendo 500 independente da quantidade de meses. Já nos juros compostos, após o segundo mês, é calculado juros em cima do valor anterior.

10% de 5.500 = 550. Assim, teríamos um montante de M = 5.500 + 550 = 6.050

Seguindo a mesma lógica, no terceiro mês, teríamos:

10% de 6.050 = 605. Assim, o montante seria M = 6.050+ 605 = 6.655

Portanto, como tínhamos um capital de 5.000 e terminamos com um montante de 6.655, vimos que o rendimento foi de 1.655 reais

Fórmula de juros compostos

Assim como nos juros simples, nos juros compostos também temos uma fórmula para calcularmos a taxa de um regime. Para isso, usamos a fórmula:

M = C . (1 + i)t

Em que M é o montante, C é o capital inicial aplicado, i é a taxa de juros e t é o tempo.

Resolvamos o mesmo exemplo acima, porém usando a fórmula:

M = 5.000.( 1 + 10/100)3

M = 5.000.( 1,1)³

M = 5.000 . 1,331

M = 6.655

Como havíamos aplicado 5.000, então, essa aplicação rendeu 1.655 reais de juros.

Juros compostos e função exponencial

A principal característica de uma função exponencial é o aparecimento da variável no expoente. Nos juros compostos, a variável é o tempo, pois o valor dos juros gerados pela aplicação depende do tempo em que ela é aplicada. Assim, podemos dizer que os juros compostos caracterizam um crescimento exponencial na variável “t”, que é o tempo.

Juros compostos e progressão geométrica

Uma progressão geométrica, ou P.G., poderia ser definida como uma sequência de números reais obtida ao multiplicar o número anterior por uma quantidade fixa q, que vamos chamar de razão. Deve-se ressaltar que esta regra não vale apenas para o primeiro número da sucessão. Podemos analisar os juros compostos como uma progressão geométrica.

Observe novamente:

M = C . (1 + i)t

Perceba que a cada mês passado, o capital é multiplicado por uma razão de (1 + i), assim caracterizando a PG.

Perceba que o termo geral de uma PG é exatamente a fórmula de juros compostos escrita com outras letras, olhando para outras grandezas, mas, matematicamente, é a mesma coisa:

An = A1 .qn-1

Exercícios

1. Numa aplicação financeira, chama-se MONTANTE a soma da quantia aplicada com os juros acumulados até aquela data. Suponha uma aplicação de R$ 50.000,00 a juros compostos, à taxa de 3% ao mês. Nesse caso, os montantes, em reais, no início de cada período de um mês, formam uma progressão geométrica em que o primeiro termo é 50000 e a razão é 1,03.

Os juros acumulados ao completar 10 meses de aplicação são:  (Dado: 1,0310 = 1,3439)

a) R$ 10 300,00
b) R$ 15 000,00
c) R$ 17 195,00
d) R$ 21 847,00
e) R$ 134 390,00

2. Qual o montante produzido por um capital de R$ 7.000,00 aplicados a uma taxa de juros mensais de 1,5% durante um ano?

a) R$ R$ 8.369,33
b) R$ 15.300,00
c) R$ 9.845,45
d) R$ 21 847,00

Gabarito

1.

Resolução 1:

M = C.(1+i)n
M = 50000.(1+0,03)10
M = 50000.1,3439
M = 67195,00
J = M – C = 67195 – 50000 = R$ 17.195,00

Resolução 2:

Em forma de P.G., ficaria assim:

( 50000 , 50000(1,03) , 50000(1,03)² , … ,50000(1,03)10 )

a1 = 50000

q = 1,03
n = 11

an = a1.qn-1

an = 50000.(1,03)11-1 = 50000.(1,0310)= 50000.(1,3439) = 67195,00 = Montante

Juros = Montante – Capital =  67195 – 50000 = R$ 17.195,00

2.

C: R$ 7.000,00
i: 1,5% ao mês = 1,5/100 = 0,015
t: 1 ano = 12 meses

M = C * (1 + i)t
M = 7000 * (1 + 0,015)12
M = 7000 * (1,015)12
M = 7000 * 1,195618
M = 8369,33

O montante será de R$ 8.369,33.

Continue estudando
Post do blog

Nós te ajudamos a calcular a sua média do ENEM, confira!

Você sabia que a nota média do ENEM é de 500 pontos? Mas, em programas como o Sisu e ProUni, para cada curso e para cada universidade há uma média e pesos que você deve atingir, que formam a nota de corte. Você já pode calcular a sua, com base no seus resultados individuais no ENEM, divulgados essa semana,  e nos pesos adotados pela sua universidade para o curso que você deseja fazer (você pode consultar esses pesos nos editais das universidades).  Basta preencher a calculadora abaixo com os dados necessários para tirar a sua média:
artigo
Post do blog

Mapa Mental: Estatística

Não deixe matemática complicar sua vida! Descomplique com este mapa mental maneiro e saiba tudo para arrasar na sua prova de estatística! :3
artigo