A conjuntivite é o nome dado a uma inflamação da membrana conjuntiva no olho. Essa membrana reveste a região posterior da pálpebra, se prolongando até a região da esclera (parte branca do olho), que tem como função ajudar a proteger e lubrificar o globo ocular.

Essa inflamação causa coceira e deixa os olhos vermelhos e lacrimejantes. Pode ser de três principais tipos: infecciosa, alérgica ou tóxica. Na maioria dos casos, pode ser facilmente tratada e nem sempre contagiosa. Para um melhor diagnóstico e forma de tratamento correta, o ideal é sempre consultar um oftalmologista.

Esquema de um olho, com o detalhe indicando a conjuntiva, membrana que recobre parte da pálpebra e a esclera
Esquema de um olho, com o detalhe indicando a conjuntiva, membrana que recobre parte da pálpebra e a esclera

O que é conjuntivite?


A conjuntivite é uma inflamação da membrana conjuntiva no olho que, em casos normais, pode durar de uma a duas semanas. Essa membrana recobre parte da pálpebra e a região branca do olho, chamada de esclera. De maneira geral, os principais sintomas são:

  • coceira nos olhos, às vezes com sensação de que há partículas ou sujeira,

  • vermelhidão nos olhos,

  • secreção e lacrimação,

  • sensibilidade à luz (fotofobia),

  • visão borrada ou opaca,

  • inchaço nas pálpebras.

Imagem de uma pessoa com conjuntivite. Repare que um dos olhos está mais avermelhado e com as pálpebras inchadas do que no outro. Na imagem da direita, a seta indica a região da pálpebra que também é revestida pela membrana conjuntiva, que durante a inflamação, fica avermelhada
Imagem de uma pessoa com conjuntivite. Repare que um dos olhos está mais avermelhado e com as pálpebras inchadas do que no outro. Na imagem da direita, a seta indica a região da pálpebra que também é revestida pela membrana conjuntiva, que durante a inflamação, fica avermelhada

Tipos e causas da conjuntivite


A conjuntivite pode ser causada pela infecção com algum patógeno, por predisposição alérgica ou pelo contato com alguma substância tóxica. Veja a seguir mais detalhes sobre elas:

Conjuntivite infecciosa

Este tipo de conjuntivite é causado principalmente por vírus e bactérias, mas também pode ser causada por fungos. É contagiosa e o contágio se dá pelo contato direto com pessoas contaminadas, com objetos compartilhados ou até mesmo contato pelo ambiente, como água de piscina. Podem contaminar apenas um dos olhos.

  • Conjuntivite viral: é a infecciosa mais comum, transmitida por vírus adenovírus. A transmissão ocorre principalmente pelo contato com as secreções, sejam elas oculares ou através de tosse e espirro dos infectados.
Os adenovírus são um grupo de vírus de DNA e são responsáveis, além da conjuntivite, por doenças relacionadas ao sistema respiratório, como o resfriado.
Os adenovírus são um grupo de vírus de DNA e são responsáveis, além da conjuntivite, por doenças relacionadas ao sistema respiratório, como o resfriado.
  • Conjuntivite bacteriana: não é tão comum quanto a viral, porém pode ser mais perigosa. Os olhos podem apresentar secreções amarelas ou esverdeadas que dão uma sensação de “cola”. A transmissão é feita pelo contato com mãos ou objetos que tocaram os olhos.

  • Conjuntivite fúngica: é a mais rara. Usualmente associada a algum machucado ou trauma já existente na região dos olhos (ex.: pequenos cortes ou utilizar lentes de contato suja). Pode ser muito perigosa, podendo deixar o infectado cego mesmo com tratamento.

Existe um quarto tipo de conjuntivite infecciosa, que é conhecida como conjuntivite neonatal. Nesses casos, durante o parto vaginal o recém-nascido pode se contaminar com bactérias ou agentes patológicos (causadores de IST) que estavam presentes na mãe.

Conjuntivite alérgica

Esse tipo de conjuntivite não apresenta risco de contágio. Normalmente, afeta os dois olhos e ocorre por conta de alergias que o indivíduo apresenta (ex.: alergia a ácaros ou ao pólen). Usualmente causam apenas coceira e deixam os olhos avermelhados. Elas podem ser classificadas de acordo com o que causa alergia:

  • Sazonal: relacionada a casos de asma e rinite,

  • Atópica: relacionada à dermatite atópica, doença comum que causa irritação na pele,

  • Primaveril: conjuntivite crônica que ocorre durante a infância, até aproximadamente aos 15 anos,

  • Papilar gigante: associada a alergias pelo uso de lentes de contato.

Esquema dos tipos de conjuntivite e como os sintomas aparecem nos olhos.
Esquema dos tipos de conjuntivite e como os sintomas aparecem nos olhos.

Tanto a conjuntivite viral quanto a alérgica podem levar ao quadro chamado de conjuntivite folicular, onde linfoides (nódulos do sistema linfáticos) da região do olho ficam inflamados, dando um aspecto texturizado à pálpebra.

Imagem da pálpebra com sintoma da conjuntivite folicular, mostrando um aspecto texturizado causado pelo inchaço de linfoides
Imagem da pálpebra com sintoma da conjuntivite folicular, mostrando um aspecto texturizado causado pelo inchaço de linfoides

Conjuntivite tóxica

Esse tipo ocorre quando os olhos entram em contato com algum produto químico, como produtos de limpeza, sabonetes, maquiagens, tintas para cabelo ou mesmo fumaça de cigarro. Também não há risco de transmissão.

Como tratar a conjuntivite


Usualmente pomadas e colírios ajudam a aliviar o desconforto, porém cada conjuntivite pode ter um tratamento mais específico. Na conjuntivite viral, não há medicamentos específicos, logo o ideal é aliviar os sintomas e em poucos dias ela é tratada sozinha. Compressas de água fria também ajuda a aliviar a coceira.

Na conjuntivite bacteriana deve-se utilizar medicamentos antibióticos, sempre receitados por um oftalmologista. A utilização correta de antibióticos ajuda a prevenir o aparecimento de superbactérias. Na conjuntivite fúngica, o tratamento é feito com antifúngicos.

Para a alérgica, além de aliviar os sintomas, remédios para alergia e descongestionantes ajudam a reduzir as crises. E por fim, na conjuntivite tóxica deve-se lavar bem os olhos com água corrente no momento de contato com a toxina e procurar atendimento médico. Normalmente nos produtos há recomendações caso este tipo de acidente ocorra.

Novamente, sempre utilize o recomendado por um profissional da saúde, já que um colírio ou produto utilizado de maneira incorreta pode piorar a inflamação e até causar danos permanentes.

Prevenção da conjuntivite


Não precisa ter medo, basta ter cuidado! Veja a seguir algumas formas de se prevenir contra a conjuntivite:

  • Não compartilhar alguns itens de higiene, como toalhas e lenços de papel, nem itens de maquiagem, como rímel e delineadores.

  • Não coçar os olhos, e se o fizer, lavar as mãos antes;

  • Lavar as mãos com frequência, principalmente se esteve em locais públicos e/ou movimentados;

  • Siga as instruções de limpeza de óculos e principalmente de lentes de contato;

  • Utilize óculos de proteção nos devidos ambientes (ex.: óculos de natação ao ir na piscina);

  • Trocar fronhas de travesseiro e almofadas com frequência.

Vimos então o que é e quais são os principais tipos de conjuntivite, assim como o que pode causar essa inflamação e como podemos tratá-la! Que tal relembrar os principais pontos?

  • A conjuntivite é uma inflamação de uma membrana ocular (conjuntiva),

  • Apesar dos diferentes tipos, os sintomas apresentam semelhanças, sempre com coceira e vermelhidão dos olhos,

  • Os principais tipos de conjuntivite são a alérgica, tóxica e as infecciosas (vírus, bactérias ou fungos),

  • O tratamento depende do tipo da conjuntivite:

  • Higienizar as mãos e não coçar os olhos é uma ótima forma de prevenção contra a conjuntivite,

  • Sempre procurar um oftalmologista em casos de conjuntivite e nunca tomar remédios e antibióticos sem prescrição!

Quer saber mais sobre biologia e mandar benzão no ENEM? Baixe aqui o checklist sobre a matéria ou assista outras aulas com os professores do Descomplica!

Continue estudando
Post do blog

10 Doenças Causadas Por Bactérias que Você Precisa Saber Para o ENEM

Presentes em todos os ambientes, as bactérias são invisíveis a olho nu e podem fazer mal à nossa saúde. As doenças causadas por bactérias – chamadas patogênicas – existem desde o início da humanidade e já foram responsáveis pelo assolamento de cidades inteiras, como aconteceu com a peste bubônica.
artigo
Post do blog

10 mitos da Biologia que podem te ajudar a passar no vestibular!

Já ouviu falar que manga com leite mata? Que entrar na piscina depois do almoço faz mal? Ou que comer chocolate dá espinha? Com certeza alguma dessas coisas você já ouviu sua mãe dizendo.  Mas sabemos que mãe é mãe e tudo que elas fazem é pensando no nosso bem. 💖 Brincadeiras a parte, preste atenção: na hora de estudar para o vestibular, esses mitos podem acabar de atrapalhando. O nome já está dizendo, são “mitos”.
artigo