Conheça 4 exemplos de intertextualidade encontrados na "Canção do Exílio"

Todo aluno do Descomplica já ouviu falar na “Canção do Exílio”, obra prima de Gonçalves Dias, escritor da primeira fase do Romantismo e constantemente usadas nos exercícios da língua português dos principais vestibulares do Brasil.

No entanto, nem todo mundo sabe que na canção há bons exemplos de intertextualidade. Por isso, hoje nós decidimos falar mais sobre esse assunto recorrente.

> Canção do exílio

Gonçalves Dias

Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá;

As aves que aqui gorjeiam,

Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,

Nossas várzeas têm mais flores,

Nossos bosques têm mais vida,

Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,

Mais prazer eu encontro lá;

Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,

Que tais não encontro eu cá;

Em cismar – sozinho, à noite–

Mais prazer eu encontro lá;

Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,

Sem que eu volte para lá;

Sem que desfrute os primores

Que não encontro por cá;

Sem qu’inda aviste as palmeiras,

Onde canta o Sabiá. 

Aliás, quem nunca declamou em plena prova de trigonometria “minha terra tem palmeiras, onde canta o sabiá, seno a cosseno b, seno b cosseno a” para fazer o seno da soma de dois ângulos? O poema é tão famoso que vários outros textos fazem referência a ele, criando  relações de intertextualidade ## Quer ver só? Vamos falar de exemplos de intertextualidade.

Paráfrase

Carlos Drummond de Andrade optou pela paráfrase, isto é, o tipo de intertextualidade na qual retoma-se a ideia inicial e reproduz-se partes do texto original com outras palavras. Quando o cara é gênio não tem medo, faz paráfrase e pronto! Veja:

Nova Canção do Exílio

Carlos Drummond de Andrade

Um sabiá 

na palmeira, longe.

Estas aves cantam

um outro canto.

O céu cintila

sobre flores úmidas.

Vozes na mata,

e o maior amor.

Só, na noite,

seria feliz:

um sabiá,

na palmeira, longe.

Onde é tudo belo

e fantástico,

só, na noite,

seria feliz.

(Um sabiá,

na palmeira, longe.)

Ainda um grito de vida e

voltar

para onde é tudo belo

e fantástico:

a palmeira, o sabiá,

o longe.

Paródia

Murilo Mendes, poeta modernista, alterou o sentido do texto original, deu um tom mais crítico à poesia e colocou uma pitada de ironia. Essas são características de uma paródia, que nada mais é que a intertextualidade das diferenças! Gostou dessa, né?

Canção do exílio

Murilo Mendes

Minha terra tem macieiras da Califórnia

onde cantam  gaturamos de Veneza.

Os poetas da minha terra

são pretos que vivem em torres de ametista,

os sargentos do exército são monistas, cubistas,

os filósofos são polacos vendendo a prestações.

A gente não pode dormir

com os oradores e os pernilongos.

Os sururus em família têm por testemunha a Gioconda.

Eu morro sufocado

em terra estrangeira.

Nossas flores são mais bonitas

nossas frutas mais gostosas

mas custam cem mil réis a dúzia.

Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade

e ouvir um sabiá com certidão de idade!

Original
Original
Paródia
Paródia

Epígrafe

Essa é a mais sinistra de todas! Sabia que a “Canção do Exílio” possui uma epígrafe de um verso do escritor alemão Goethe? Ah! Só pra refrescar a sua memória, epígrafe significa posição superior, é um dos exemplos de intertextualidade e ocorre  quando um autor, para introduzir o seu texto, recorre a um trecho de algum outro texto já existente.

Gonçalves Dias lia Goethe e você aí com preguiça de estudar para o ENEM! Estamos de olho! Veja só que maneiro:

Kennst du das Land, wo die Citronen blühen,

 Im dunkeln die Gold-Orangen glühen,

Kennst du es wohl? — Dahin, dahin!

Möcht ich… ziehn.

 Goethe

Tradução da epígrafe feita pelo poeta Manuel Bandeira:

[Conheces o país onde florescem as laranjeiras?

Ardem na escura fronde os frutos de ouro…

Conhecê-lo? Para lá, para lá quisera eu ir!]

 Goethe

Citação

Achamos uma tirinha superfofa com uma citação da Canção do Exílio! A citação é uma intertextualidade que ocorre quando um autor transcreve um trecho de um texto de outro autor no próprio texto.  Geralmente, a citação é marcada pelo uso de aspas.

Agora que você já conheceu os quatro exemplos de intertextualidade presente na Canção do Exílio, borá entender como o assunto pode ser cobrado no Vestibular?

Questão do ENEM sobre Intertextualidade

(ENEM 2009)

TEXTO A

Canção do exílio

Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá;

As aves, que aqui gorjeiam,

Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,

Nossas várzeas tem mais flores,

Nossos bosques tem mais vida,

Nossa vida mais amores.

[…]

Minha terra tem primores,

Que tais não encontro eu cá;

Em cismar – sozinho, a noite –

Mais prazer eu encontro la;

Minha terra tem palmeiras

Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,

Sem que eu volte para lá;

Sem que desfrute os primores

Que não encontro por cá;

Sem qu’inda aviste as palmeiras

Onde canta o Sabiá.

DIAS, G. Poesia e prosa completas. Rio de Janeiro: Aguilar, 1998.

TEXTO B

Canto de regresso à Pátria

Minha terra tem palmares

Onde gorjeia o mar

Os passarinhos daqui

Não cantam como os de lá

Minha terra tem mais rosas

E quase tem mais amores

Minha terra tem mais ouro

Minha terra tem mais terra

Ouro terra amor e rosas

Eu quero tudo de lá

Não permita

Deus que eu morra

Sem que volte para lá

Não permita Deus que eu morra

Sem que volte pra São Paulo

Sem que eu veja a rua 15

E o progresso de São Paulo

ANDRADE, O. Cademos de poesia do aluno Oswald. São Paulo: Cfrculo do Livro. s/d.

Os textos A e B, escritos em contextos históricos e culturais diversos, enfocam o mesmo motivo poético: a paisagem brasileira entrevista a distância. Analisando-os, conclui-se que:

a) o ufanismo, atitude de quem se orgulha excessivamente do país em que nasceu, e o tom de que se revestem os dois textos.

b) a exaltação da natureza é a principal característica do texto B, que valoriza a paisagem tropical realçada no texto A.

c) o texto B aborda o tema da nação, como o texto A, mas sem perder a visão crítica da realidade brasileira.

d) o texto B, em oposição ao texto A, revela distanciamento geográfico do poeta em relação à pátria.

e) ambos os textos apresentam ironicamente a paisagem brasileira.

Gabarito: c)

Embora a abordagem do tema seja a mesma, o segundo texto faz revisita o primeiro, só que de forma crítica, que é uma característica da paródia, estabelecendo, assim, a intertextualidade.

Gostaram dos exemplos de intertextualidade ? Então nos conte nos comentários o que mais podemos descomplicar para o vestibular? Afinal, essa é a nossa missão!

Continue estudando
Post do blog

4 tirinhas que irão acabar com suas dúvidas entre ambiguidade e polissemia!

Ainda tem dúvidas sobre ambiguidade e polissemia? Vem dar uma olhada nessas quatro tirinhas para ficar por dentro de tudo!
artigo
Post do blog

Saiba tudo sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade!

Ainda tem dúvidas sobre Ambiguidade, Polissemia, Tipos de Discurso e Intertextualidade? Vem cá que a gente resolve todas!
artigo