Cartografia — Um Resumo Sobre os Principais Aspectos

Entender o que é cartografia e todos os aspectos desse conteúdo é imprescindível para se sair bem em Geografia nas questões do vestibular. Preparamos um resumo completo sobre o tema para você aprender tudo. Descubra abaixo.

O que é a cartografia?

Localizar-se e orientar-se no espaço sempre foi uma preocupação do ser humano. No início, era pela necessidade, por exemplo, de se buscar abrigo e alimentos. Atualmente, quando temos a necessidade de se chegar a um lugar desconhecido, basta lembrar quantas vezes a frase “Por favor, como faço chegar em tal rua?” já foi ouvida. A cartografia é a ciência responsável por pensar, elaborar e estudar os mapas.

É importante ter em mente que existem múltiplas representações gráficas da Terra, cada qual adequada a um tipo de situação. Cabe destacar, ainda, que cada uma destas representações guarda a visão de quem a elaborou.

Por exemplo, o continente americano poderia ser representado de lado, transformando sua representação na figura de um pato, como circulou na internet.

Representação da América que circulou na internet.
Representação da América que circulou na internet.

Portanto, é preciso identificar a representação mais adequada. Por exemplo, se o objetivo é localizar um país, o ideal é utilizar um atlas ou o globo terrestre. Se o objetivo é localizar uma rua, o mais adequado é utilizar a planta da cidade. Neste sentido, é importante compreender alguns aspectos relacionados à cartografia.

Coordenadas Geográficas

O globo terrestre é dividido por um conjunto de linhas imaginárias que se cruzam e permitem que qualquer ponto da superfície seja localizado. Essas linhas determinam a latitude e a longitude, que, em conjunto, são chamadas de coordenadas geográficas.

A Linha do Equador é o círculo máximo da esfera e é traçado na horizontal, dividindo a Terra em hemisfério Norte e hemisfério Sul. É a partir da Linha do Equador que se originam os paralelos que, à medida que se afastam, tanto para norte quanto para o sul, diminuem de diâmetro.

Os paralelos são medidos em graus de distância em relação à Linha do Equador. Esta distância é chamada de latitude e varia de 0° (Linha do Equador) a 90° (polos), tanto para o Norte quanto para o Sul.

Mas, para localizar um ponto, não basta apenas saber sua latitude. Por exemplo, quando falamos que um ponto se encontra na latitude 30° ao norte do Equador, encontraremos infinitos pontos ao longo deste paralelo, pois um paralelo é um círculo paralelo à Linha do Equador.

Já a longitude é identificada a partir das linhas traçadas perpendicularmente aos paralelos. São chamadas de meridianos. O meridiano 0º é o Meridiano de Greenwich, que divide a Terra em dois hemisférios, o Ocidental (a oeste) e o Oriental (a leste).

É a partir deste meridiano que todos os outros são medidos, de 15 em 15 graus, ou seja, existe o meridiano 15°, o meridiano 30°, 45°, 60°… até chegar ao meridiano 180°, tanto para leste quanto para oeste.

A partir daí, qualquer ponto sobre a superfície terrestre é identificável se fornecidos a latitude e a longitude, coordenadas resultantes do cruzamento das linhas imaginárias – os paralelos e os meridianos.

Fusos horários

Os fusos horários representam a mudança de hora à medida que mudamos de um fuso para outro. Ao dividir os 360° da esfera terrestre por 24 horas (duração do movimento de rotação da Terra, que faz com que existam dias e noites), temos como resultado 15°. Ou seja, cada fuso possui 15° e cada um desses fusos possui uma hora dentro das 24 horas que a Terra necessita para o movimento de rotação.

Todas regiões que se encontram dentro de um mesmo fuso possuem o mesmo horário. Contudo, pelo fato dos fusos não considerarem as divisões político-administrativas como, por exemplo, países, cidades, estados e outros, foram feitas algumas adaptações para unificar o horário de uma mesma unidade político-administrativa.

Um exemplo disso é o Brasil, que possuía quatro fusos, mas adotou apenas três.

Escalas

Para a representação em um plano de uma estrutura de grandes dimensões, como a Terra, é necessário que haja uma correspondência entre as dimensões reais e as dimensões da representação no papel. Essa correspondência é feita, na cartografia, pelo que chamamos de escala.

A escala expressa em números o quanto algo real foi reduzido para caber no papel ou na tela do computador, por exemplo.

A escala é considerada pequena quando os elementos reais foram muito reduzidos, o que acontece quando se representa áreas muito grandes, e considerada grande quando os elementos reais não foram muitos reduzidos, o que acontece quando se representa áreas pequenas.

Por exemplo, localizar uma rua em um mapa-múndi é impossível, pois a escala de uma mapa-múndi é pequena: seus elementos reais foram muitos reduzidos para caber no papel, tão reduzidos que nem aparecem no mapa. Portanto, para localizar a tal rua, seria necessário se utilizar um mapa de escala grande.

Há uma fórmula utilizada quando se quer descobrir a escala de um mapa, ou a distância real de uma área representada, ou a distância no mapa: é a fórmula E = D/d.

Projeção cartográfica

A projeção cartográfica é resultante de um conjunto de operações que permitem que a superfície esférica (a Terra) seja representada em um plano. Contudo, para que isso seja possível, ocorrem algumas distorções – nas áreas, nas formas ou nas distâncias da superfície terrestre –, sendo necessário escolher a projeção mais adequada a cada tipo de situação.

As projeções se dividem segundo a relação entre o real (Terra) e o plano em:

  • conformes: nela, os ângulos são mantidos idênticos, tanto na esfera quanto no plano e as áreas são deformadas;
  • equivalentes: nela, as áreas se apresentam idênticas e os ângulos são deformados;
  • equidistantes (ou afiláticas): nela, tanto as áreas quanto os ângulos se apresentam deformados.

As projeções se dividem segundo a superfície de contato em:

  • cilíndrica: nesta projeção, a Terra parece ser envolvida por um cilindro de papel, em que são projetados os paralelos e os meridianos. Depois de projetadas estas linhas imaginárias, o cilindro é aberto ao longo de um meridiano;
  • cônica: a superfície da Terra é representada sobre um plano em forma de cone, em que os paralelos formam círculos concêntricos, ou seja, um dentro do outro, sendo o menor representado pelo polo, Norte ou Sul, e o maior a Linha do Equador, o paralelo 0º. Nesta projeção, à medida que se afasta do paralelo de contato com o cone, as distorções aumentam;
  • azimutal (ou plana): nessa projeção, a superfície terrestre é representada em um plano que tangencia um dos polos. Os paralelos formam círculos concêntricos e os meridianos formam ângulos retos partindo do polo. As deformações nesta projeção aumentam conforme se afasta do polo.

Cartografia temática

A cartografia temática busca trazer para os mapas dados qualitativos e quantitativos adquiridos pela Geografia e outras ciências, expressando-os de forma gráfica.

Ou seja, ela se preocupa em apresentar os dados com a precisão gráfica que cabe à cartografia básica, facilitando a tomada de decisões ao auxiliar na compreensão dos temas – sociais e naturais – que compõem o espaço geográfico.

Para apresentar estes dados, a cartografia temática faz uso de pontos, linhas, áreas, símbolos e cores que permitem melhor visualizar um fenômeno. A representação da distribuição de recursos minerais e energéticos no Brasil e a distribuição da população no território brasileiro são alguns dos temas que são apresentados pela cartografia temática.

Tecnologias aplicadas à cartografia

Cabe destacar o papel das novas tecnologias aplicadas à cartografia, como, por exemplo, os satélites e o GPS. Esses instrumentos possibilitam que a coleta e o processamento de informações sobre o espaço geográfico sejam mais rápidos de serem obtidos e, em alguns casos, com custos menos elevados. Confira algumas destas novas técnicas:

  • Sensoriamento Remoto: é a obtenção de imagens a partir de scanners de satélites, radares e equipamentos fotográficos. Ou seja: é a captação e registro de imagens a longa distância. Podem ser obtidas imagens de florestas, cidades, nuvens e outros;
  • Sistema de posicionamento global (GPS): Desenvolvido na época da Guerra Fria, o GPS aponta com precisão a localização de um objeto ou pessoa. Entre suas utilizações, encontra-se o direcionamento em ruas e rodovias quando instalados em automóveis.

Exercícios

1. (UFSC) A linguagem cartográfica é essencial à geografia. Neste âmbito, considere as afirmações adiante.

I. O mapa é uma reprodução idêntica da realidade.

II. São elementos que compõem os mapas: escala, projeção cartográfica, símbolo ou convenção e título.

III. A escala é a relação entre a distância ou comprimento no mapa e a distância real correspondente à área mapeada.

Considerando as três assertivas, pode-se afirmar corretamente que:

a) apenas I é verdadeira

b) apenas II é verdadeira.

c) apenas III é verdadeira.

d) apenas I e III são verdadeiras.

e) apenas II e III são verdadeiras.

2. As figuras a seguir mostram o mundo representado em projeções cartográficas diferentes.

Analisadas as figuras acima, é CORRETO afirmar que:

a) ambas as projeções são cilíndricas, sendo que a de Mercator é equivalente e a de Peters é conforme.

b) a projeção de Mercator conserva as áreas dos continentes e, por esse motivo, é chamada de eurocêntrica.

c) a projeção de Mercator é conforme, ou seja, conserva as formas dos continentes e é a mais adequada para a navegação marítima.

d) a projeção de Peters é a mais adequada para a representação dos países do Terceiro Mundo, pois mantém as formas em proporção correta.

e) a projeção de Peters é eqüidistante, ou seja, mantém a proporcionalidade real nas medidas de distâncias e ângulos.

3. (PUC-MG) Ao dividir os 360 graus da esfera terrestre pelas 24 horas de duração do movimento de __________, o resultado é 15 graus. A cada 15 graus que a Terra gira, passa-se uma hora. Assim, cada uma das 24 divisões da Terra corresponde a um __________.

Para que o texto fique adequadamente preenchido, as lacunas devem ser completadas, respectivamente, por:

a) translação e meridiano.

b) translação e paralelo.

c) rotação e círculo.

d) rotação e fuso horário.

Gabarito

1. E

2. C

3. D

Continue estudando
artigo
Post do blog

Latitude? Longitude? 3 tatuagens que têm tudo a ver com cartografia

Marque as coordenadas na sua pele! Saiba tudo sobre cartografia, latitude, longitude e mais!
artigo
Post do blog

Mapa Mental: Cartografia

Para ler nosso mapa mental, você não precisa ser cartógrafo! Confira abaixo e fique por dentro de tudo que você precisa saber sobre Cartografia para mandar bem na sua prova de geografia! <3