3 casos de Interação Gênica na espécie humana (e um de Pleiotropia!)

Na interação gênica, descobrimos que nem sempre a Primeira Lei de Mendel se aplica.

3 casos de Interação Gênica na espécie humana (e um de Pleiotropia!)
3 casos de Interação Gênica na espécie humana (e um de Pleiotropia!)

E aí! Então, galera, na Primeira Lei de Mendel, vimos que cada par de genes expressa uma característica (como a cor das ervilhas, ou a textura da casca), e que esses genes vêm dos pais, cada um doando um para o filho, através dos gametas. Na interação gênica, descobrimos que nem sempre é assim, e que dois ou mais pares de genes podem estar envolvidos na expressão de uma única característica.

Os exemplos mais clássicos vistos na hora de estudar Genética geralmente envolvem galinhas e camundongos, mas isso não significa que esses fenômenos não ocorram na espécie humana. Agora vamos dar uma olhada nisso.  😉

1) Epistasia e Albinismo

Albinismo
Albinismo

Todos conhecem o albinismo lá dos exercícios de Primeira Lei de Mendel. O que vocês talvez não saibam é que o albinismo é, também, uma epistasia recessiva! Vejam bem, quando os genes recessivos aa estão juntos, eles inibem a ação de outros genes, aqueles responsáveis pela pigmentação da pele. A epistasia é exatamente isso: um gene inibindo outro par que não é seu alelo; ela pode se manifestar de forma dominante (quando o gene dominante é o epistático) ou recessiva (quando o par recessivo é o epistático, como o caso do albinismo).

2) Genes Complementares e Surdez

Surdez
Surdez

Genes complementares, ou herança qualitativa, são vários genes não-alelos atuando de forma complementar na expressão de uma característica qualitativa, como é o caso da crista das galinhas (que possui diferentes formatos de acordo com a presença de determinados genes!).

Na espécie humana, a surdez hereditária é o melhor exemplo. O gene D determina o desenvolvimento embrionário de uma região importante para a audição, enquanto o gene E é responsável por condicionar a formação do nervo acústico. Se o indivíduo for homozigoto recessivo para algum desses genes, ele será surdo, já que não haverá a formação de uma parte fundamental do aparelho auditivo. Sendo assim, o genótipo de um indivíduo normal deverá ser, obrigatoriamente, D_E_.

3) Herança Quantitativa e Cor da Pele

Cor da Pele
Cor da Pele

A Herança Quantitativa ocorre quando vários genes não-alelos atuam de forma aditiva na expressão de uma característica quantitativa, com fenótipos não muito bem diferenciados.

Na espécie humana, o exemplo mais claro disso é a cor da pele, que simplificamos dizendo que é definida por S e T. Quanto mais aditivos, mais escura será a pele, ou seja, um humano sstt será branco, enquanto SSTT será negro. Os fenótipos intermediários variam em tons de mulato, dependendo da quantidade de aditivos (Sstt, por exemplo, só tem um aditivo, logo, é um mulato claro, enquanto SSTt possui três aditivos, sendo um mulato escuro).

4) BÔNUS: Pleiotropia e Síndrome de Marfan

Síndrome de Marfan
Síndrome de Marfan

A pleiotropia não é uma interação gênica. Na verdade, ela é justamente o oposto: é um par de genes expressando diversas características. Estamos aproveitando o gancho aqui pra falar dela e mostrar que nem sempre as Leis de Mendel se aplicam, tanto pra diversos genes formando uma característica quanto para um par expressando diversas.

A Síndrome de Marfan é expressa por um par de alelos, e condiciona diversas alterações no portador, como aracnodactilia (dedos alongados), defeitos cardíacos (o peito inclusive é afunilado, formando uma depressão no centro) e problemas na formação dos olhos.

Então é isso, pessoal. Esses são alguns exemplos de Interação Gênica, um tema que costuma cair no vestibular. Até a próxima!

JÁ SACOU TUDO SOBRE INTERAÇÃO GÊNICA? AGORA CONFIRA NOSSA PÁGINA DO GABARITO ENEM!

Continue estudando
artigo
Post do blog

Mapa Mental: Interação Gênica

Você sabe tudo sobre Interação Gênica? Não? Vai saber depois desse mapa mental <3 Prepare-se para mandar bem em biologia!